A-A+

Luis Lacalle Pou toma posse como presidente do Uruguai

O liberal assume a presidência após 15 anos de governos de esquerda, prometendo diminuir gastos públicos e reduzir violência

Luis Lacalle Pou toma posse como presidente do UruguaiLuis Lacalle Pou toma posse como presidente do Uruguai - Foto: Gaston Britos/Divulgação

O Uruguai encerra, neste domingo (1), 15 anos de governos de esquerda com a posse do liberal Luis Lacalle Pou, que assume a presidência com a promessa de diminuir os gastos públicos, reduzir a insegurança e facilitar a imigração.

"Eu, Luis Lacalle Pou, comprometo-me, por minha honra, a cumprir a posição que me foi confiada e a defender a Constituição da República", disse o novo presidente, conforme estabelecido no artigo 158 da Magna Carta, perante o ex-presidente José Mujica, que prestou juramento em seu cargo de presidente da Assembleia Geral, cargo que após o compromisso passou para a nova vice-presidente Beatriz Argimón.

A primeira parte da cerimônia de posse no Palácio Legislativo, sede do Parlamento, começou com a interpretação do hino nacional pela soprano Luz del Alba Rubio, acompanhada pelo coro público nacional.

Leia também:
Bolsonaro vai a Montevidéu para posse de novo presidente uruguaio
Uruguai decreta estado de emergência nacional por violência de gênero


O líder de centro-direita do Partido Nacional (PN), que conseguiu derrotar a Frente Ampla (FA, esquerda) com uma coalizão de cinco forças políticas que vão do centro até uma direita mais radical, fez um discurso aos legisladores, antes de se encaminhar para o Plaza Independencia em um Ford V8 de 1937, que pertencia ao seu bisavô Luis Alberto de Herrera, um líder histórico do PN. O veículo também foi usado por seu pai, ex-presidente Luis Alberto Lacalle (1990-1995), no dia em que assumiu.

Lacalle Pou, advogado de 46 anos que foi legislador por duas décadas, chega à presidência em sua segunda tentativa depois de derrotar o candidato oficialista Daniel Martínez em novembro, por uma diferença de 1,5% dos votos. Centenas de partidários do PN vieram de diferentes partes do país para acompanhar a cerimônia.

Desafios


Lacalle Pou, que assume a presidência em um país com uma economia estagnada, um déficit fiscal de 4,6% e um aumento no desemprego, anunciou que tomará medidas imediatas em várias frentes, desde a redução dos gastos públicos à facilitação da imigração ou combate à insegurança.

Um de seus primeiros desafios será a aprovação da Lei de Urgente Consideração (LUC), com 457 artigos que tratam de questões como segurança, economia e educação. Este projeto, que o Parlamento deve aprovar em no máximo 90 dias, já gerou protestos de vários setores e levou o sindicato dos professores a convocar uma greve para 12 de março.

Até integrantes da coalizão governista formada pelo PN, o Partido Colorado (PC, liberal), Cabildo Abierto (CA, direita radical), o Partido da Gente (PG, direita) e o Partido Independente (PI, social-democrata) apresentaram modificações ao rascunho.

O novo presidente também anunciou sua intenção de implementar mudanças radicais na política externa. Para sua posse não convidou os presidentes de esquerda de Cuba, Nicarágua e Venezuela, cujo presidente Nicolás Maduro descreveu como "ditador".

Em contrapartida, contará com os presidentes direitistas do Brasil, Colômbia, Paraguai e Chile. Também o rei Felipe VI da Espanha, que Lacalle Pou recebeu no sábado com um churrasco em casa.

O presidente argentino, Alberto Fernández, declinou do convite, alegando que, no mesmo dia, abrirá as sessões ordinárias do Congresso. A saída de Vázquez, que termina seu segundo mandato (2015-2020), encerrar três governos consecutivos da FA.

O ciclo progressista culmina marcado pela aprovação de leis sociais - como a regulamentação do uso de maconha, do aborto e do casamento entre pessoas do mesmo sexo - mas também pelo aumento dos salários e aposentadorias, pela expansão do acesso a saúde, declínio acentuado da pobreza e períodos de crescimento recorde do PIB.

No entanto, os últimos cinco anos registraram estagnação econômica, aumento do desemprego e aumento da insegurança. O que ajuda a explicar sua derrota nas últimas eleições.

"O Uruguai nunca entrou em recessão e teve 16 anos de crescimento ininterrupto com a melhor distribuição de riqueza" da América Latina, disse Vázquez na sexta-feira à noite em uma cerimônia de despedida.

"O crescimento econômico com justiça social é o legado político dos três governos da FA", disse o presidente, antes de destacar a "paz social" do país em uma região convulsionada.

Veja também

Restos humanos achados na Flórida são de namorado de influenciadora morta nos EUA
Caso Gabby Petito

Restos humanos achados na Flórida são de namorado de influenciadora morta nos EUA

Guterres preocupado com possível fracasso da COP26
COP26

Guterres preocupado com possível fracasso da COP26