Macron condena declarações de Trump sobre países africanos

Ao ser questionado durante uma entrevista à BBC, presidente francês condenou fala polêmica de Trump

Presidente francês, Emmanuel MacronPresidente francês, Emmanuel Macron - Foto: Andres Valle/Presidencia de la República del

O presidente francês, Emmanuel Macron, condenou neste domingo (21) as declarações de seu contraparte americano, Donald Trump, que qualificou as nações africanas, o Haiti e El Salvador de "países de merda".

Ao ser questionado durante uma entrevista à BBC, divulgada hoje, sobre se compartilhava do mal-estar provocado pela expressão, Macron respondeu: "está claro que não é uma palavra que possa ser usada".

"Acredito que muitos dos nossos problemas no Oriente Médio e na África se devam a muita frustração, muita humilhação no passado, e temos que compreender isso. Acredito realmente que temos que respeitar todos os países. É o que devemos, e é muito mais eficaz", defendeu o presidente francês.

"Não é um uso político", declarou Macron, referindo-se a Trump, que neste fim de semana completa um ano na Presidência.

Leia também:
Trump manifesta apoio à marcha contra aborto
Governo Trump decide cortar verba de agência da ONU que auxilia palestinos


"Temos uma relação muito boa (...) Quero trabalhar com ele, e construímos uma relação forte", afirmou, indicando que os dois "discordam sobre diversos temas".

"Ligo para ele frequentemente, sempre sou extremamente direto e franco", declarou Macron, que explicou: "às vezes, consigo convencê-lo e, às vezes, fracasso".

Macron qualificou os abundantes e polêmicos tuítes do presidente americano de "mistura entre reações pessoais e políticas".

"Acho que isso não é viável, quando se é presidente de uma república como os Estados Unidos", acrescentou.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo