Maduro assegura que impedirá o 'show' da ajuda humanitária

Presidente venezuelano defende que escassez de alimentos e medicamentos que afeta seu país às sanções impostas pelos Estados Unidos

Nicolás MaduroNicolás Maduro - Foto: Juan Barreto/AFP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, assegurou nesta sexta-feira (8) que não vai permitir o "show" da ajuda humanitária, ao se referir ao carregamento que chegou na fronteira com a Colômbia a pedido do opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por cerca de 40 países.

"A Venezuela não vai permitir o show da ajuda humanitária falsa, porque não somos mendigos de ninguém", declarou Maduro em coletiva de imprensa. Segundo Maduro, a "emergência humanitária é fabricada por Washington", que tem a intenção de "intervir" na Vezenuela.

Maduro atribui a escassez de alimentos e medicamentos que afeta seu país às sanções impostas pelos Estados Unidos. "Liberem o dinheiro que bloquearam e sequestraram. É um jogo macabro: estão apertando nosso pescoço e nos fazendo pedir migalhas", denunciou.

Leia também:
Em carta aos EUA, Maduro compara Venezuela a Iraque e Vietnã
Caminhões com ajuda humanitária para a Venezuela chegam à fronteira do país
EUA enviam ajuda à fronteira da Venezuela, mas logística é mistério


Uma dezena de veículos carregados com medicamentos e alimentos chegou na quinta-feira (7) na cidade de Cúcuta, na fronteira colombiana, onde foi instalado um centro de estocagem próximo à ponte internacional de Tienditas, bloqueada pelos militares venezuelanos com dois caminhões e uma cisterna.

"Não é nenhuma ajuda. É uma mensagem de humilhação para o povo, porque se quisessem ajudar deveriam cessar todas as sanções econômicas (...) O pacote é bonito por fora, de ajuda humanitária, mas por dentro tem veneno", ressaltou.

Guaidó anunciou que mais carregamentos chegarão nos próximos dias e que outros centros de coleta serão instalados no Brasil e em uma ilha caribenha a ser definida. Guaidó insiste na importância da entrada de ajuda humanitária e reiterou seus apelos aos militares para que não a impeçam. "Eles estão em um dilema: ou se colocam ao lado do povo que precisa de ajuda ou do lado da ditadura", disse ele.

O país produtor de petróleo, mergulhado na pior crise de sua história moderna, sofre uma severa escassez de produtos básicos e uma hiperinflação que o FMI estima em 10.000.000% em 2019.

Maduro aproveitou a ocasião para criticar a "parcialidade" do Grupo de Contato Internacional (GCI), que exigiu eleições presidenciais livres após uma reunião no Uruguai. "Rejeitamos a parcialidade, o cunho ideológico do documento do Grupo de Contato, mas estou pronto e disposto a receber qualquer enviado" do bloco de países europeus e latino-americanos, ressaltou.

Oito países da União Europeia (UE) e três da América Latina (Costa Rica, Equador e Uruguai) comprometeram-se a trabalhar para "estabelecer as garantias necessárias para um processo eleitoral confiável no menor tempo possível", segundo o comunicado final do grupo.

O documento não foi assinado pelos outros dois participantes da reunião, Bolívia e México, que argumentaram que não poderiam apoiar a convocação de eleições por se tratar de uma questão de política interna.

O grupo também pediu "permissão para entrada urgente" de ajuda humanitária, e resolveu coordenar essa assistência com o ACNUR, a agência de refugiados da ONU, e enviar uma missão técnica à Venezuela.

Veja também

Washington reforça segurança por risco de violência antes da posse de Biden
Mundo

Washington reforça segurança por risco de violência antes da posse de Biden

Turba que tomou Capitólio pretendia 'capturar e assassinar' legisladores
EUA

Turba pretendia 'capturar e assassinar' legisladores