Maduro aumenta em dois dias o feriado de Carnaval na Venezuela

'Aumentar a alegria da festa de Carnaval' foi um dos motivos justificados por Maduro

Nicolas MaduroNicolas Maduro - Foto: Reprodução Instagram

O ditador Nicolás Maduro anunciou nesta quarta-feira (20), em uma rede social, que o feriado de Carnaval na Venezuela terá mais dois dias. "Pensando nos meninos, nas meninas, na família e na cultura nacional, este ano vamos adiantar o Carnaval. Declaro feriado nacional a quinta-feira, 28 de fevereiro, e a sexta-feira, 1º de março. Cumpra-se!", informa a publicação.

Durante um programa de televisão transmitido em rede nacional, Maduro também anunciou a mudança, que teria como motivo "aumentar a alegria da festa de Carnaval". O ditador também afirmou que "o abono do carnê da pátria" será pago em 27 de fevereiro.

O "carnê da pátria" é uma espécie de cartão de fidelidade ao governo por meio do qual se distribuem benefícios sociais. Com a mudança, o feriado de Carnaval na Venezuela terá seis dias. A Venezuela vive a pior crise política e econômica de sua história, com grave escassez de remédios e hiperinflação. Segundo a ONU, desde 2015, cerca de 2,3 milhões de venezuelanos fugiram do país.

Leia também:
Em alerta militar, Venezuela fecha fronteira com Curaçao, bloqueando ajuda
Trump pede às Forças Armadas da Venezuela que deixe de apoiar Maduro
Comandante confirma fechamento de fronteira entre Venezuela e Curaçao


Reconhecido como presidente interino por 50 países, o líder oposicionista Juan Guaidó prepara manifestações em todo o país no sábado (23). Voluntários prometem ir em comboios até a fronteira, em busca de toneladas de medicamentos vindos da Colômbia, Brasil e Curaçao.

O presidente colombiano Iván Duque promete participar de um show em Cúcuta, na fronteira com a Venezuela, na sexta-feira (22). A intenção é arrecadar US$ 100 milhões em 60 dias. A quantia seria somada aos US$ 110 milhões que já foram arrecadados, de acordo com Guaidó, para a causa humanitária.

Cerca de 250 mil pessoas são esperadas no festival. O evento terá a participação de pelo menos 35 artistas, incluindo Alejandro Sanz, Maluma, Luis Fonsi e Carlos Vives. Na segunda-feira (18), o governo de Maduro também anunciou um festival, mas de dois dias, em 22 e 23 de fevereiro, na fronteira da Venezuela com a Colômbia, em paralelo ao espetáculo organizado a favor da entrada de ajuda humanitária no país.

"Essa ajuda humanitária é um show, é uma armadilha", disse Maduro. O ditador chamou o carregamento enviado pelos Estados Unidos de "comida estragada e contaminada, para tentar intervir na Venezuela, cruzar a fronteira e ocupar o país. "Parem com essa loucura na Colômbia. Senhor Iván Duque, você pode parar a loucura, pare a loucura de você e Donald Trump a tempo. A Venezuela é um país de paz", disse ele.

Em uma operação coordenada com os EUA, o governo Jair Bolsonaro vai permitir o uso de território brasileiro para que opositores do ditador Nicolás Maduro tentem levar ajuda humanitária à Venezuela em 23 de fevereiro. Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, Bolsonaro determinou que o Brasil dê apoio logístico para que caminhões conduzidos por venezuelanos da oposição busquem mantimentos em Pacaraima e Boa Vista, em Roraima.

Veja também

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes
EUA

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes