Maduro diz que pré-venda de moeda virtual rendeu US$ 735 milhões

Ativo diferencia-se de criptomoedas, como o bitcoin, por ter lastro em um poço de petróleo e ser o primeiro a ser criado por um Estado

Ditador venezuelano Nicolás MaduroDitador venezuelano Nicolás Maduro - Foto: Federico Parra/AFP

O ditador venezuelano, Nicolás Maduro, disse na última terça-feira (20) que a pré-venda do petro, moeda virtual criada pelo regime, recebeu promessas de compras de US$ 735 milhões (R$ 2,38 bilhões) em seu primeiro dia. Visto pelo chavismo como solução para conseguir financiamento internacional e driblar as sanções dos EUA, o ativo diferencia-se de criptomoedas, como o bitcoin, por ter lastro em um poço de petróleo e ser o primeiro a ser criado por um Estado.

Analistas, porém, duvidam do sucesso da moeda diante da grave crise econômica na Venezuela, em calote parcial da dívida pública e com inflação que superou 2.000% em 2017, e ao risco de mudança das regras por Caracas. "Já temos nas nossas mãos [as intenções de compra]. Foi um tremendo golpe", disse. "É apenas a criptonita que a Venezuela precisa para poder ter o código do Super-Homem contra os Estados Unidos imperialistas."

Leia também:
Maduro diz que desemprego caiu e pobreza se estabilizou na Venezuela
Maduro anuncia aumento de 40% no salário mínimo venezuelano


No entanto, o líder não deu detalhes dos supostos compradores, quantas unidades foram vendidas e por qual valor. O regime havia anunciado que um petro valeria um barril de petróleo pela cesta venezuelana -hoje, US$ 60.

Nesta primeira oferta, o regime disponibilizou 38,4 milhões dos 100 milhões de petros da oferta inicial. Caso tenha sido mantido o valor de face, teriam sido vendidas cerca de 12 milhões de unidades, ou 31% do total. A pré-venda se estenderá até 19 de março. Nesta fase, o regime afirmou que só será possível comprar o petro em moeda estrangeira, praticamente inviabilizando a participação dos venezuelanos devido ao controle cambial.

Por outro lado, o anúncio foi acompanhado de decretos obrigando o uso do ativo virtual em parte das compras da petroleira estatal PDVSA e a aceitação dele em serviços que vão de postos de gasolina a passagens aéreas. As demais unidades serão vendidas em fases separadas até 2019. Para a consultora Eurasia Group, o chavismo pode conseguir até US$ 2 bilhões (R$ 6,5 bilhões) com a moeda, mas há incertezas quanto à sua garantia.

O petro é baseado em um poço de petróleo da faixa do Orinoco ainda inexplorado. Também está sujeito às eleições dos EUA e a oposição disse que não honrará sua emissão por considerá-lo um título de venda de petróleo a futuro.

Veja também

Rússia retoma turismo espacial com envio de multimilionário japonês Espaço

Rússia retoma turismo espacial com envio de multimilionário japonês

Google bloqueia rede de crimes cibernéticos que 'sequestrava' um milhão de dispositivosSegurança nas redes

Google bloqueia rede de crimes cibernéticos que 'sequestrava' um milhão de dispositivos