Maduro expulsa militares que reconheceram Guaidó como presidente

Os militares representam o principal apoio ao governo socialista

Um apoiador do presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, segura seu retrato durante uma "Marcha Antiimperialista" pró-governo em CaracasUm apoiador do presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, segura seu retrato durante uma "Marcha Antiimperialista" pró-governo em Caracas - Foto: CRISTIAN HERNANDEZ / AFP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, expulsou das Forças Armadas treze oficiais, incluindo dois generais da reserva, que reconheceram o opositor Juan Guaidó como presidente interino.

Maduro expulsou o general Hugo Carvajal, que dirigiu os serviços de Inteligência militar do finado presidente Hugo Chávez (1999-2013) durante uma década, e o general Carlos Rotondaro, ex-ministro da Saúde.

Carvajal foi acusado de "atos de traição à pátria", segundo o Diário Oficial de 20 de março, pelas recentes declarações conclamando os militares a se rebelar contra Maduro, que culpa pela "desastrosa realidade" da Venezuela.

Trata-se de uma medida de "exemplo", "disciplinar", cujas consequências a justiça estabelecerá, destaca o decreto. Carvajal exerceu funções no governo chavista até 2017.

Os militares representam o principal apoio ao governo socialista.

O alto comando militar manifesta com frequência sua "lealdade incondicional" a Maduro, ignorando os apelos dos Estados Unidos e de Guaidó, reconhecido como presidente interino por mais de 50 países, que promete anistia e a suspensão das sanções à tropa.

Carvajal e Rotondaro, que supostamente estão no exterior, foram alvo de sanções do departamento americano do Tesouro.

O decreto afirma que os oficiais expulsos "pretendiam, mediante atos hostis, violentos e o desconhecimento das autoridades legalmente constituídas, mudar a forma republicana da Nação".

Os militares têm amplo poder político e econômico no governo chavista, dirigindo pastas estratégicas como Defesa, Interior, Agricultura, Alimentação e a estatal do petróleo PDVSA. 

Veja também

Vírus ebola pode ser ativado em sobrevivente anos após a infecção, aponta estudo
SAÚDE

Vírus ebola pode ser ativado em sobrevivente anos após a infecção, aponta estudo

Bolívia rejeita relatório 'tendencioso' de Biden criticando sua luta contra as drogas
Drogas

Bolívia rejeita relatório 'tendencioso' de Biden criticando sua luta contra as drogas