A-A+

Maduro faz marcha com militares para reafirmar lealdade das tropas

A marcha de Maduro é realizada dois dias após o início de uma série de ações da oposição para tentar retirá-lo do poder

Presidente da Venezuela, Nicolás MaduroPresidente da Venezuela, Nicolás Maduro - Foto: Juan Barreto/AFP

O ditador Nicolás Maduro realizou uma marcha militar em Caracas, na manhã desta quinta-feira (2), para reafirmar o apoio das tropas ao seu governo. A marcha foi transmitida por cadeia de rádio e TV e também por redes sociais. As imagens mostram milhares de soldados no forte Tiuna, base militar em Caracas. Havia cerca de 4.000 militares no ato, segundo o site Notícias Venezuela.

Por volta de 6h (7h em Brasília), Maduro transmitiu um discurso. Vestido com boné e colete verde-oliva, ele estava ao lado de Vladimir Padrino, ministro da Defesa, Remigio Ceballos, comandante estratégico operacional, e de outros oficiais.

Leia também:
Não deveriam ficar na frente dos blindados, diz Mujica sobre manifestantes na Venezuela
Protestos na Venezuela fizeram dois mortos e dezenas de feridos
Repressão aumenta na Venezuela, e Guaidó promete ações diariamente


"Precisamos avivar para o fogo sagrado dos valores dos militares venezuelanos para o combate que estamos dando contra o imperialismo, contra os traidores e golpistas. Estamos dando um combate em todas as frentes, em todas as linhas, pelo direito de existir de nossa república", disse Maduro. "Sim, estamos em combate. Máxima moral para desarmar a qualquer traidor e golpista. Querem colocar um presidente com metralhadoras e fuzis e violar a Constituição", prosseguiu.

Por volta das 7h (8h em Brasília), o perfil de Maduro fez outra transmissão ao vivo, na qual mostra o ditador caminhando à frente de centenas de soldados e comandantes. Em seguida, ele faz outro discurso para os soldados, desta vez ao ar livre. A marcha de Maduro é realizada dois dias após o início de uma série de ações da oposição para tentar retirá-lo do poder.

Na quarta-feira (1º), o líder opositor Juan Guaidó prometeu realizar ações diárias até a queda de Maduro, incluindo uma greve escalonada dos trabalhadores da Venezuela. "Amanhã [quinta], vamos seguir a proposta que nos fizeram de paralisações escalonadas, até conseguir uma greve geral", disse.

"Agora vamos todos falar com os militares. Vamos todos somar com a causa, assim como os funcionários públicos. A partir de amanhã [quinta], com a faixa azul, que representa dizer a eles que já basta", disse Guaidó, em referência ao pedaço de pano azul amarrado nos braços que está sendo usado por soldados para identificar sua lealdade à oposição.

Guaidó se declarou presidente interino da Venezuela em janeiro, sob interpretação da Constituição de que Nicolás Maduro não é um presidente legítimo porque houve fraude nas eleições de 2018.

Os protestos de quarta-feira tiveram forte repressão por parte do governo. Até agora, os confrontos deixaram ao menos dois mortos. Jurubithm Garcia, 27, morreu nesta quarta-feira após ser atingida na cabeça por uma bala durante os protestos em Caracas, na Venezuela. Ela foi socorrida e levada para a clínica El Ávila, mas morreu na sala de operações. Samuel Méndez, 24, morreu na terça (30/4) após participar de protestos no estado de Aragua.

Veja também

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro
Vacinas

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã
Acordo Nuclear

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã