Malala acredita que mulheres devem mudar o mundo por conta própria

"Nós não vamos pedir aos homens que mudem o mundo, vamos fazer nós mesmas", declarou a incansável defensora da educação das meninas

Malala Yousafzai no Fórum Econômico Mundial de DavosMalala Yousafzai no Fórum Econômico Mundial de Davos - Foto: Fabrice Coffrini

A jovem militante paquistanesa, Malala Yousafzai, pediu nesta quinta-feira (25) que as mulheres "mudem o mundo" por conta própria, sem esperar o apoio dos homens, em uma conferência no Fórum Econômico Mundial de Davos.

"Nós não vamos pedir aos homens que mudem o mundo, vamos fazer nós mesmas", declarou a incansável defensora da educação das meninas, a um público em grande parte feminino.

Este Fórum, que reúne todos os anos a elite da política e da economia nos Alpes suíços, continua sendo um cenáculo essencialmente masculino, 80% dos participantes são homens. Mas os debates cavaram este ano um lugar para o movimento mundial de defesa da mulher #Metoo.

Leia também:
Marchas das Mulheres e contra Trump invadem cidades europeias
Ellen Pompeo diz que mulheres são descartadas como lixo após os 30 anos
Mulheres sauditas poderão ver jogo no estádio pela 1ª vez
Ação aponta realidade de ofensas vivida pelas mulheres nos games


"O feminismo é apenas mais uma palavra para a igualdade (...) significa apenas que as mulheres devem ter os mesmos direitos que os homens", disse Malala, de 20 anos, que homenageou seu pai, "um feminista que desafiou a sociedade tradicional paquistanesa ao apoiá-la contra todas as probabilidades".

"Ele me deu o nome de Malala, uma heroína pashtun que era famosa por sua bravura e força", disse a jovem mulher, forçada a fugir do país depois de ser vítima de uma tentativa de assassinato dos talibãs em 2012. "Espero poder voltar para o Paquistão um dia, é difícil não ver sua casa, família e amigos por mais de cinco anos", disse ela.

Prêmio Nobel da Paz em 2014, Malala continua comprometida, visitando campos de refugiados ou em fóruns em todo o mundo, enquanto estuda economia, filosofia e ciência política na Universidade de Oxford.

"Não posso enviar todas as meninas para a escola, mas posso enviar o máximo possível para a escola", disse ela, lembrando que mais de 130 milhões de garotas estão privadas de educação.

Veja também

Covid-19: Itália reforça restrições após recorde de novos casos diários
Coronavírus

Covid-19: Itália reforça restrições após recorde de novos casos diários

Chile supera meio milhão de casos de Covid-19 na véspera do plebiscito constitucional
América Latina

Chile supera meio milhão de casos de Covid-19 na véspera do plebiscito constitucional