Malásia indicia duas mulheres pelo assassinato do meio-irmão de Kim Jong-un

Kim Jong-nam foi envenenado no aeroporto de Kuala Lumpur no dia 13 de fevereiro

Siti Aisyah e Doan Thi Huong chegaram ao tribunal escoltadas e pareciam tranquilas durante a leitura da acusação; caso sejam consideradas culpadas, elas podem ser condenadas à morteSiti Aisyah e Doan Thi Huong chegaram ao tribunal escoltadas e pareciam tranquilas durante a leitura da acusação; caso sejam consideradas culpadas, elas podem ser condenadas à morte - Foto: Mohd Rasfan/AFP

Duas mulheres foram indiciadas nesta quarta-feira (1) pela justiça da Malásia pelo assassinato de Kim Jong-nam, o meio-irmão do dirigente norte-coreano Kim Jong-un, envenenado no aeroporto de Kuala Lumpur no dia 13 de fevereiro.

Siti Aisyah, indonésia de 25 anos, e Doan Thi Huong, vietnamita de 28 anos, foram acusados por assassinato. Kim Jong-nam faleceu depois de ter sido atacado com um potente agente neurotóxico. As duas suspeitas, algemadas, chegaram ao tribunal escoltadas. Pareciam tranquilas durante a leitura da acusação. Caso sejam consideradas culpadas, as duas podem ser condenadas à morte.

Os investigadores acusam as mulheres de jogar contra o rosto do irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un a substância VX, um agente neurotóxico classificado como arma de destruição em massa.

Nas imagens das câmeras de segurança obtidas pela imprensa é possível observar o momento em que as duas mulheres se aproximam de Kim Jong-nam pelas costas e uma delas joga algo no rosto da vítima. Em seguida, Kim fala com dois guardas, que o levam para a clínica do aeroporto. Ele morreu menos de 20 minutos depois, quando era levado para um hospital.

O VX é uma versão mais letal do gás sarin, insípido e inodoro, extremamente tóxico. Os agentes nervosos agem com o estímulo excessivo das glândulas e dos músculos, o que cansa rapidamente as vítimas e ataca a respiração.

As autoridades malaias afirmaram que Kim Jong-nam teve uma morte rápida, provavelmente "muito dolorosa". As duas mulheres afirmam que foram enganadas e que acreditavam participar de um programa de televisão de "pegadinhas". A polícia alega que elas sabiam o que faziam. A audiência em um tribunal de Kuala Lumpur durou menos de 20 minutos e contou com um grande esquema de segurança.

O tribunal não perguntou a nenhuma das suspeitas sobre sua defesa e o início do julgamento deve demorar alguns meses. Mas o advogado de Huong, S. Selvan, afirmou que sua cliente afirmou em vietnamita ao tribunal: "Não sou culpada". O embaixador interino da Indonésia, Andreano Erwin, explicou que Siti estava "tranquila". "Pedimos que cuide da saúde porque o processo judicial será longo", afirmou.

Um norte-coreano também foi detido pelo caso. A polícia deseja ouvir outros sete norte-coreanos - incluindo um diplomata da embaixada do país em Kuala Lumpur -, mas quatro suspeitos fugiram da Malásia no dia do assassinato.

Desde o dia do crime, que lembra a Guerra Fria, a Coreia do Sul acusa o vizinho do Norte e cita uma "ordem permanente" de Kim Jong-un para eliminar o meio-irmão, que era crítico do regime norte-coreano. Pyongyang enviou um diplomata à Malásia para tentar recuperar o corpo de Kim Jong-nam. Até o momento, no entanto, o regime norte-coreano não citou o nome da vítima.

A Coreia do Norte acusou a Malásia de atuar por motivos políticos e de comportamento ilegal. As autoridades do país não aceitam as conclusões da necropsia. Kuala Lumpur insiste que o corpo permanecerá no necrotério até que um parente se apresente para a identificação formal do cadáver, com uma mostra de DNA.

Veja também

Agências americanas recomendam "pausa" no uso da vacina da Johnson por temor de coágulos
Vacinação

Agências americanas recomendam "pausa" no uso da vacina da Johnson por temor de coágulos

Mais tensão e detidos em Minneapolis após morte de jovem afro-americano em ação policial
EUA

Mais tensão e detidos em Minneapolis após morte de jovem afro-americano em ação policial