Manning tenta suicídio mais uma vez na prisão

Militar transgênero entregou ao site WikiLeaks milhares de documentos secretos dos Estados Unidos

Senador Humberto Costa Senador Humberto Costa  - Foto: Arthur de Souza

Chelsea Manning, a militar transgênero que entregou ao site WikiLeaks milhares de documentos secretos dos Estados Unidos, tentou cometer suicídio na prisão, pela segunda vez, informou um comitê de apoio.

Manning tentou se matar no dia 4 de outubro, segundo a informação do comitê, confirmada por Chase Strangio, um amigo do militar, cujo nome de batismo é Bradley Manning.

"Após sua tentativa de suicídio de julho, vi que começava a sair do abismo, mas tudo isto foi destruído pelos procedimentos disciplinares aos quais é submetido", escreveu Strangio.

Chelsea Manning anunciou uma greve de fome no início de setembro, na prisão militar de Fort Leavenworth (Kansas), para obter os cuidados necessários devido a sua mudança de sexo.

Manning cumpre uma pena de 35 anos de prisão após ser condenado, em agosto de 2013, por entregar mais de 700 mil documentos confidenciais ao site WikiLeaks.

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios