May cede a pressão e altera proposta para acordo do 'brexit' com UE

Pelo projeto, Londres se comprometeria a manter regras da UE para bens e produtos agrícolas

Primeira ministra britânica Theresa MayPrimeira ministra britânica Theresa May - Foto: HO / PRU / AFP

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, sucumbiu à pressão da ala favorável ao 'brexit' dentro de seu Partido Conservador e aceitou modificar o projeto que vai definir as regras alfandegárias do país após sua saída da União Europeia.

Com apoio do governo, a medida foi aprovada nesta segunda-feira (16) no Parlamento britânico com 305 votos favoráveis e 302 contrários -a casa tem 650 cadeiras.A imprensa britânica disse que o deputado conservador Guto Bebb, contrário às mudanças, pediu demissão de seu cargo como vice-secretário da Defesa após a votação.

A chefe de governo passa por um momento de instabilidade após a saída de dois de seus principais secretários: David Davis, que cuidava do 'brexit', e Boris Johnson, ex-chanceler. Eles renunciaram depois que May disse ter chegado a um entendimento com Bruxelas para a criação de uma área de livre-comércio com a União Europeia.

Leia também:
May defende o cargo após demissões de ministros por Brexit


Pelo projeto, Londres se comprometeria a manter regras da UE para bens e produtos agrícolas. Parlamentares a favor de um rompimento mais radical com o bloco argumentam que a proposta prende o Reino Unido ao resto do continente e dificulta acordos com o resto do mundo.

Por isso, um grupo de deputados eurocéticos liderados por Jacob Rees-Mogg decidiu confrontar May e apresentou quatro emendas ao texto da primeira-ministra, mas horas antes da votação no Parlamento, o governo anunciou que apoiaria a proposta.

As emendas estabelecem, entre outros pontos, que o governo britânico não poderá coletar taxas e tarifas para a UE a não ser que o bloco concorde em fazer o mesmo para o Reino Unido.

O grupo favorável ao "brexit" acredita que essa mudança não será aceita por Bruxelas, o que impediria que o acordo comercial entre os dois lados fosse fechado. O governo, porém, disse que as emendas não alteram fundamentalmente a proposta original e que aceitá-las garante sua aprovação no Parlamento.

Apesar da defesa feita pelo governo, a decisão de aceitar as emendas sem contestá-las foi criticada pela oposição e até mesmo por membros do Partido Conservador. O deputado trabalhista Stephen Kinnock chegou a afirmar que com as mudanças no texto o plano original de May para o "brexit" estava morto -o que ela negou.

Veja também

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários
Privacidade

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19
Pandemia

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19