May é acusada de comprar votos para Brexit com fundo de desenvolvimento regional

Primeira-ministra britânica anunciou nesta segunda-feira (4) criação de fundo para regiões mais desfavorecidas da Inglaterra e oposição julga como estratégia política

Theresa May, primeira-ministra britânicaTheresa May, primeira-ministra britânica - Foto: Adrian Dennis/AFP/POOL

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou, nesta segunda-feira (4), a criação de um fundo bilionário de desenvolvimento para as regiões mais desfavorecidas, que a oposição qualificou de "suborno desesperado" para persuadir os deputados a apoiarem seu acordo do Brexit.

Dotado de 1,6 bilhão de libras (2,1 bilhões de dólares, 1,87 bilhão de euros), o fundo deve permitir "estimular a atividade econômica" nas zonas que "não desfrutaram os benefícios do crescimento do mesmo modo que regiões mais prósperas do país", afirmou seu governo.

Na apresentação da iniciativa, a própria May afirmou que "em todo o país, o voto da população a favor do Brexit foi a expressão de um desejo de mudança". "Durante tempo demais, a prosperidade não foi dividida de forma equitativa", reconheceu.


Leia também:
Três deputadas abandonam o Partido Conservador por discordâncias sobre o Brexit
Suíça e Reino Unido assinam acordo comercial para pós-Brexit
Theresa May voltará a negociar com Bruxelas sobre fronteira irlandesa
Theresa May descarta hipótese de um segundo referendo sobre o Brexit


Mais da metade das ajudas ao desenvolvimento estarão destinadas a circunscrições do norte e do centro da Inglaterra, que votaram maciçamente a favor da saída da União Europeia no referendo de junho de 2016.

"Nossas cidades atravessam dificuldades devido a uma década de cortes orçamentários", denunciou John McDonnell, alto responsável do opositor Partido Trabalhista. E considerou que "este fundo mostra o desespero de um governo que se vê reduzido a corromper os deputados para que apoiem" seu acordo do Brexit.

May se esforça, até agora sem sucesso, para obter uma maioria parlamentar para ratificar o acordo de saída concluído com Bruxelas em novembro. O texto, que for rejeitado pelos deputados em janeiro, deve ser votado de novo até 12 de março.

Em carro alegórico para desfile de carnaval em Duesseldorf, na Alemanha, Theresa May perfura economia britânica com nariz de Pinóquio

Em carro alegórico para desfile de carnaval em Duesseldorf, na Alemanha, Theresa May perfura economia britânica com nariz de Pinóquio - Crédito: MARCEL KUSCH/DPA/AFP

 

Veja também

EUA não suspenderão proibições a viagens, apesar do anúncio de Trump, diz porta-voz de Biden
Pandemia

EUA não suspenderão proibições a viagens, apesar do anúncio de Trump, diz porta-voz de Biden

Oxigênio enviado a Manaus pela Venezuela cruza fronteira com o Brasil
Solidariedade

Oxigênio enviado a Manaus pela Venezuela cruza fronteira com o Brasil