Médico que combinou DNA de três pais para gerar bebê é investigado nos EUA

Médico foi orientado a parar de realizar o tratamento porque a técnica não é regularizada no território americano

BebêBebê - Foto: Reprodução/Pixabay

Um médico que criou uma técnica para gerar embriões com o DNA de três pessoas e evitar certas doenças genéticas está sendo investigado pelo governo dos Estados Unidos. A Food and Drugs Administration (FDA), órgão que regula medicamentos e alimentos no pais, enviou uma carta ao Dr. John Zhang alertando que ele deve parar de realizar o tratamento porque a técnica não é regularizada no território americano. A informação é da EFE.

Leia também
Morre bebê baleado no útero da mãe no Rio de Janeiro


Zhang e sua equipe da clínica de fertilidade New Hope ficaram famosos no ano passado após o nascimento do primeiro bebê do mundo com o DNA de três pais, resultado de um controverso método de reprodução assistida que permite que genitores com mutações genéticas raras possam ter filhos totalmente saudáveis.

No caso desse bebê, o médico utilizou o DNA do pai, da mãe e de uma doadora para evitar que a mãe transmitisse ao filho os genes da chamada Síndrome de Leigh, uma desordem mortal que afeta o sistema nervoso em desenvolvimento. Ela já tinha perdido dois filhos por causa da doença.

Como as autoridades americanas não aprovaram legalmente o método, a equipe de Zhang viajou para o México para realizá-lo, porque lá a nova técnica não estaria sujeita à regulação. Após o nascimento do bebê, os especialistas divulgaram suas descobertas.

A FDA explicou a Zhang que o tratamento, que utiliza uma técnica de substituição mitocondrial, é proibido pelo Congresso por criar embriões modificados geneticamente. A Food and Drugs Administration também afirmou que a clínica do médico promove o método como uma maneira de os pais se livrarem de doenças mortais que poderiam ser passadas aos filhos.

Na carta, a FDA recrimina o Dr. Zhang por continuar "comercializando" a técnica para tratar a infertilidade, mesmo tendo se comprometido a não utilizá-la em território americano.

O órgão acrescentou na carta um artigo divulgado pela própria equipe de Zhang, no qual os médicos afirmam que os embriões tinham sido criados nos EUA, mas implantados fora das fronteiras do pais. Por esse motivo, a FDA pediu que o especialista comunique os passos que serão tomados para lidar com a violação e evitar a repetição. Caso Zhang não faça mudança, o órgão poderá multá-lo.

Veja também

Anvisa inspeciona empresa parceira na produção da Sputnik V
Vacina

Anvisa inspeciona empresa parceira na produção da Sputnik V

Apple vê lucro saltar 29% para US$ 28,7 bilhões, um recorde
Economia

Apple vê lucro saltar 29% para US$ 28,7 bilhões, um recorde