Mercados financeiros respiram aliviados após decisão do FBI sobre Hillary

A democrata é a preferida para a grande maioria dos operadores e investidores do mundo, já que é percebida como garantia de continuidade e estabilidade

Município foi beneficiado com ações e anúnciosMunicípio foi beneficiado com ações e anúncios - Foto: Bárbara Costa/Divulgação

Uma onda de alívio tomou nesta segunda-feira os mercados mundiais, da Europa a Wall Street passando pela Ásia, na véspera da eleição presidencial nos Estados Unidos depois que o FBI decidiu não indiciar Hillary Clinton, candidata favorita dos investidores.

A aspirante democrata é a preferida para a grande maioria dos operadores e investidores do mundo, já que é percebida como garantia de continuidade e estabilidade. O candidato republicano Donald Trump é considerado imprevisível pelos mercados, e carente de experiência política.

"A decisão do FBI" de não perseguir Hillary Clinton por ter utilizado um servidor privado para seus e-mails quando era secretária de Estado "alivia os mercados", constataram os estrategistas da sociedade de corretagem Aurel BGC.

A notícia suscitou entusiasmo dos operadores.

Wall Street abriu nesta segunda-feira em forte alta, com o Dow Jones avançando 1,15% e o Nasdaq, 1,66%.

Na Europa também houve altas nas bolsas de Paris, que fechou com alta de 1,910%, Londres (+1,70%) Frankfurt (+1,93%), Madri (+1,45%) e Milão (2,56%).

Na Ásia, Tóquio fechou com alta de 1,61%, Xangai avançou 0,26% e Hong Kong 0,70%.

A reabertura de uma investigação contra Hillary Clinton teve há dez dias um aparente efeito devastador para os mercados, tomados pela incerteza das eleições americanas.

Entretanto, nesta segunda-feira, em uma carta a legisladores, o diretor do FBI, James Comey, informou que a revisão dos novos e-mails descobertos há pouco mais de uma semana não trouxe qualquer novidade que levasse a um indiciamento de Hillary Clinton, que usou um servidor privado quando era secretária de Estado.

A decisão do diretor do FBI "é uma boa noticia para os operadores que recuperam o apetite pelo risco", comentou para a agência Bloomberg o analista do Think Markets UK, Naeem Aslam.

- Peso mexicano em alta -
O alívio também foi notado no mercado cambial. O iene voltou a cair em relação ao dólar. O dólar nesta segunda foi cotado a 104 ienes contra 103,04 de sexta-feira às 21H00 GMT.

O dólar também se valorizou em relação ao euro, mas foi sobretudo o peso mexicano que se beneficiou da notícia, que parece fortalecer as chances de derrota do candidato republicano: a divisa mexicana foi cotada a 18,626 pesos por dólar, contra 19,026 de sexta-feira, uma alta de 2,5%.

Donald Trump é considerado um fator negativo para o peso mexicano, devido às ameaças do candidato de expulsar dos Estados Unidos milhões de migrantes ilegais, de renegociar acordos de livre comércio e da promessa de construir um muro na fronteira comum com o país vizinho, caso ganhe as eleições de terça-feira.

Por sua vez, os juros dos títulos de países com maior risco -e, portanto, maior remuneração-, como os da Itália e da Espanha subiram, enquanto a dívida alemã -considerada mais segura- foi deixada de lado por grande parte dos investidores.

- Prudência e suspense-


Embora prevaleça um certo entusiasmo nesta segunda-feira nas praças financeiras, prevalece a prudência ante a persistente incerteza sobre quem vencerá a eleição presidencial nos Estados Unidos.

É certo que as pesquisas continuam dando uma pequena vantagem a Hillary Clinton. No entanto, segundo os analistas da Mirabaud Securities Genève, "alguns estados-chave podem surpreender amanhã (terça-feira).

Veja também

Nova fase de testes para vacina chinesa contra Covid-19 começa em 20 de julho
Coronavírus

Nova fase de testes para vacina chinesa contra coronavírus começa em 20 de julho

Em anúncio de campanha, Trump promete proteger Cristo Redentor
Campanha

Em anúncio de campanha, Trump promete proteger Cristo Redentor