Mundo

México e norte da América Central se preparam para debater migração com EUA

Capital guatemalteca irá debater com a secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Kirstjen Nielsen, a crise migratória gerada pela política de "tolerância zero" de Washington

Debate acontecerá com a secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Kirstjen NielsenDebate acontecerá com a secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Kirstjen Nielsen - Foto: Alex Wong/Getty Images North America/AFP

Autoridades do México e do norte da América Central preparam os últimos detalhes nesta segunda-feira (9) na capital guatemalteca para debater com a secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Kirstjen Nielsen, a crise migratória gerada pela política de "tolerância zero" de Washington, informou uma fonte oficial guatemalteca.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Guatemala, Jairo Estrada, disse a jornalistas que a tensão migratória e a segurança regional serão os principais temas da reunião de terça-feira entre Nielsen e os chanceleres de México, Guatemala, Honduras e El Salvador. Segundo a Chancelaria, espera-se que Nielsen chegue à base da Força Aérea na noite desta segunda.

Leia também:
Governo Trump quer mais tempo para reunir famílias de imigrantes
Apreensão de imigrantes na fronteira dos EUA salta 92% no semestre


A reunião dá prosseguimento à visita à Guatemala realizada em 28 de junho pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, após o tumulto causado por sérias críticas à política de "tolerância zero" que Washington aplicava contra os imigrantes em situação ilegal. Essa política provocou a separação de mais de 2.000 crianças de seus pais, detidos ao cruzar a fronteira.

Na reunião, Pence fez "solicitações específicas" a cada país, como o aumento da equipe de inteligência para atacar as gangues, no caso de El Salvador. Pediu à Guatemala que inicie uma campanha para "dissuadir" a migração ilegal, enquanto a Honduras solicitou que aumente a quantidade de policiais em suas fronteiras.

Pence também demandou aos presidentes dos países do Triângulo Norte da América Central que interrompam o "êxodo" de migrantes ilegais ao seu país, considerando que ameaçam a segurança dos americanos.

"Não coloquem em jogo a sua vida e a vida de seus filhos. Fiquem em seus lares, em sua pátria (...) Venham legalmente, ou não venham", advertiu.

Veja também

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas
Ataque

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo, segundo agência europeia
Internacional

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo