Milhares de líbios celebram sexto aniversário da Revolução

Em Trípoli, milhares de líbios se juntaram à tarde na Praça dos Mártires, protegida por estritas medidas de segurança

Os líbios comemoraram o sexto aniversário do início da Revolução que derrubou o regime de Muammar KadhafiOs líbios comemoraram o sexto aniversário do início da Revolução que derrubou o regime de Muammar Kadhafi - Foto: Abdullah DOMA / AFP

Os líbios comemoraram, nesta sexta-feira (17), o sexto aniversário do início da Revolução que derrubou o regime de Muammar Kadhafi em 2011, em um clima de incerteza devido à profunda crise política e à insegurança persistente no país.

Em Trípoli, milhares de líbios se juntaram à tarde na Praça dos Mártires, protegida por estritas medidas de segurança.

Nas principais vias da cidade, dezenas de carros seguiam desfilando à noite, ao som das buzinas.

Rida al-Mahmudi, de 62 anos, assegurou ter mandado seus dois filhos para a Praça dos Mártires para que se unissem à multidão.

"São adolescentes. Se lhes disser que o país está um caos, não entenderão. Tudo o que devem saber é que, há seis anos, nos desfizemos de 42 anos de ditadura brutal", explicou.

Como eles, muitos líbios não tinham ânimo para festejar o aniversário em um país que está à beira da anarquia. Ainda que outros, como Fátima al-Arbi, de 59 anos, considerem necessário fazê-lo.

"Devemos comemorar esse aniversário, apesar de tudo o que acontece no país", opinou, acrescentando que "não quero que meus netos esqueçam o significado deste dia".

Também houve comemorações em outras cidades como Benghazi, onde ocorreu a primeira manifestação contra o regime de Kadhafi, em 15 de fevereiro de 2011.

O movimento de protesto e sua repressão por parte do regime deram lugar a um conflito armado que deixou milhares de mortos e feridos, provocando a queda de Kadhafi, no fim de agosto, e sua morte, em 20 de outubro.

Desde então, a Líbia vive uma situação de desconcerto, com duas autoridades políticas que disputam o poder: de um lado, o Governo de União Nacional (reconhecido pela comunidade internacional), com sede em Trípoli e, de outro, uma autoridade rival que controla grande parte do leste e se apoia no Parlamento eleito de Tobruk.

Além disso, aproveitando o caos, os extremistas - em particular os do grupo Estado Islâmico (EI) - converteram o imenso território líbio em um de seus refúgios. Em dezembro, porém, perderam seu reduto de Sirte.

Veja também

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários
Privacidade

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19
Pandemia

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19