Milhares de pessoas manifestam-se nos EUA em defesa dos direitos das mulheres e contra Trump

Desde cedo, centenas de pessoas se reuniam em torno da Casa Branca, onde a manifestação começou, às 15h GMT

Manifestações em defesa dos direitos das mulheres nos Estados UnidosManifestações em defesa dos direitos das mulheres nos Estados Unidos - Foto: Eva Hambach / AFP

Milhares de pessoas participavam neste sábado, nos Estados Unidos, de manifestações em defesa dos direitos das mulheres e contra o governo de Donald Trump, embora a terceira edição da Marcha das Mulheres esteja marcada por divisões, ante acusações de antissemitismo.

Desde cedo, centenas de pessoas se reuniam em torno da Casa Branca, onde a manifestação começou, às 15h GMT. Muitas usavam gorros rosa, um símbolo do movimento. São esperadas passeatas em outros pontos do país, principalmente em Nova York e Los Angeles, na véspera do segundo aniversário da posse de Trump. Em 2018, as passeatas reuniram mais de 500 mil pessoas, incentivadas pelos movimentos #MeToo e Time's Up, contra o assédio e a violência sexual.

Leia também:
Mulheres de topless se manifestam na Austrália em apoio à jovem saudita
Mulheres fazem queixa de agressão e assédio contra BBB
Mostra em NY reúne obras de mulheres sobre papéis femininos


Para marcar estes "dois anos de resistência à presidência de Trump", os organizadores convocaram uma "onda" de manifestações, no momento em que um número recorde (131) de mulheres foram eleitas para o Congresso nas eleições de metade do mandato, em novembro passado. "O movimento começou como uma manifestação contra Donald Trump, mas, agora, é mais para que sejam reconhecidos os problemas que as mulheres enfrentam no mundo", explicou à AFP Ann-Carolyn, 27.

Em Nova York, Leah Maguire, 36, disse que participava da passeata "por meus filhos e seu futuro. Desde o seu nascimento, é cada vez mais claro que estaremos condenados se não mudarmos." Para Kelly Rosser, a marcha é em oposição ao governo Trump, que "representa tantas coisas contra as quais lutamos: a discriminação envolvendo as minorias, a política contra os imigrantes e refugiados e a marginalização da comunidade LGBTQ".

Este ano, no entanto, a unidade do movimento sofreu fissuras, após acusações de antissemitismo contra vários de seus representantes, o que levou várias mulheres a se unirem à organização paralela March On, que marchava separadamente neste sábado. "Fico de coração partido", lamentou Ann-Carolyn, assinalando que não compartilhava "dos valores das fundadoras da Marcha das Mulheres".

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump