Milhares vão às ruas em protesto na França

Chamado foi feito pelo comitê de apoio à família de Adama Traoré, um negro morto após ser preso no país, em 2016

Protesto na FrançaProtesto na França - Foto: Loic Venance/AFP

Milhares de pessoas se reuniram nesta terça-feira (2) em frente ao Tribunal de Paris contra a violência policial, em meio a um contexto de distúrbios pelo mesmo tema nos Estados Unidos.

Os manifestantes foram convocados pelo comitê de apoio à família de Adama Traoré, um negro de 24 anos que morreu após ser preso em 2016.

"Hoje não é apenas o combate da família Traoré, é o combate de todos vocês. Hoje, quando lutamos por Georges Floyd, lutamos por Adama Traoré", disse Assa Traoré, irmã de Adama.

A convocação coincidiu com os protesto nos Estados Unidos após a morte de George Floyd. "O que acontece nos Estados Unidos é o mesmo que acontece na França", disse a ativista.

Em 19 de julho de 2016, Adama Traoré morreu em uma delegacia nos arredores de Paris, cerca de duas horas depois de ser preso. O caso tornou-se um símbolo de violência policial no país.

Leia também:
Protestos e confrontos seguem nos EUA mesmo após ultimato de Trump
Manifestações antirracismo chegam à 7ª noite com EUA no limite
Autópsia encomendada por família de George Floyd conclui que ele morreu por asfixia


Na semana passada, a perícia descartou a responsabilidade dos policiais, mas nesta terça-feira, uma perito contratado pela família de Traoré indicou que ele sofreu socos na barriga, técnica de detenção utilizada pelos agentes.

A prefeitura proibiu manifestações devido à crise do coronavírus, que não permite concentrações de mais de 10 pessoas, e também ao risco de "tumultos".

Veja também

Confiança na economia é central para superar crise da Covid-19, diz Davos
Economia

Confiança na economia é central para superar Covid-19, diz Davos

Alemanha vai adotar tratamento experimental usado por Trump
Coronavírus

Alemanha vai adotar tratamento experimental usado por Trump