Mineradores são apedrejados até a morte por gangue rival na África do Sul

África do Sul é considerada um dos países mais violentos do mundo

Mina na África do SulMina na África do Sul - Foto: AFP

Nove mineradores de Lesoto empregados de forma ilegal foram "apedrejados até a morte" na sexta-feira (31) em um subúrbio de Johannesburgo, África do Sul, por um grupo de mineradores rivais, informou neste sábado (1º) a polícia, que denunciou um "ato selvagem".

Os corpos das nove vítimas "foram encontrados nas ruas de Matholeville, enquanto uma décima pessoa ficou gravemente ferida" e foi levada ao hospital, afirmou a polícia em comunicado. As forças de segurança sul-africanas iniciaram uma busca e a polícia ouviu 87 pessoas neste sábado.

Leia também:
Médica luta contra mutilações genitais em meninos na África do Sul
Negra, candidata da África do Sul vence Miss Universo e leva 3ª coroa para seu país


A África do Sul é considerada um dos países mais violentos do mundo. Segundo estatísticas oficiais, mais de 21 mil pessoas foram mortas no país em um ano, entre abril de 2018 e março de 2019, ou seja, uma média de 58 assassinatos diários.

Entre 8 mil e 30mil mineradores contratados ilegalmente, os "zama zamas" ("aqueles que tentam a sorte", em zulu) atuam no país, de acordo com a Comissão de Direitos Humanos da África do Sul. Esses trabalhadores correm um enorme risco ao trabalhar em túneis e poços abandonados. Além disso, precisam enfrentar outro perigo crescente, o das gangues, que geralmente estão envolvidas em ajustes de contas.

"A exploração ilegal de minas e o crime organizado estão intimamente ligados. Os 'zama zamas' costumam estar fortemente armados, têm explosivos e organizam emboscadas contra funcionários, guardas e grupos rivais de mineradores ilegais", afirma um relatório da Câmara de Minas da África do Sul.

Veja também

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump

Twitter suspende contas de ex-chefes das Farc que retomaram armas na Colômbia
Twitter

Twitter suspende contas de ex-chefes das Farc que retomaram armas na Colômbia