Ministro do Trabalho da Argentina é criticado por xingar ex-empregada

A gravação, enviada por Triaca por um aplicativo de mensagens para sua então funcionária, Sandra Heredia, no final do ano passado, viralizou nas redes sociais

ministro do Trabalho da Argentina, Jorge Triacaministro do Trabalho da Argentina, Jorge Triaca - Foto: Wikimedia Commons

O ministro do Trabalho da Argentina, Jorge Triaca, às vésperas de uma negociação por aumentos de salários com os sindicatos e com a missão de convencer o Congresso a aprovar uma reforma trabalhista proposta pelo Executivo, viu-se envolvido num escândalo com a divulgação de um áudio em que xinga sua ex-empregada doméstica.

Leia também
A caminho do Chile, papa Francisco manda saudação à sua natal Argentina
Panelaços e greve geral marcam aprovação da reforma na Argentina
Em meio a greve geral, Argentina retoma debate sobre nova Previdência
Congresso da Argentina aprova reforma da Previdência


"Sandra, no vengas porque te voy a mandar a la concha de tu hermana, sos una pelotuda" (em tradução literal, "não venha porque vou te mandar à xoxota de sua irmã, você é uma idiota"). A gravação, enviada por Triaca por um aplicativo de mensagens para sua então funcionária, Sandra Heredia, no final do ano passado, viralizou nas redes sociais. Triaca teve que se desculpar, em um canal oficial, pedindo desculpas pelo "rompante".

O ministro se justificou dizendo que, naquela ocasião, estava nervoso por conta da demora da funcionária para ajudá-lo a descer do carro -Triaca é cadeirante.
A divulgação foi feita agora pela ex-funcionária porque, poucas semanas depois do incidente, ela foi demitida sem receber a indenização devida.

Heredia levou o caso à Justiça do Trabalho, denunciando também que metade de seu salário era pago "por fora", sem registro. "Eu só quero que paguem o que me devem", disse.

Heredia também contou à imprensa local que trabalhava para a família desde 2012, sem contrato, mas que foi registrada às pressas vinte dias antes da eleição de Mauricio Macri, provavelmente porque Triaca já sabia que teria um cargo no gabinete do novo presidente.

O ministro se defende dizendo que a contratação de Sandra não está no seu nome, porque ele divide a propriedade com o irmão. A oposição, porém, não ficou calada.
O líder dos deputados kirchneristas, Agustín Rossi, disse que o ministro será convocado para dar explicações ao Congresso. "Eles dizem que vão combater as máfias dos sindicatos e mantêm funcionários particulares sem registrar", disse Rossi.
Até esta quinta-feira (18), a Casa Rosada não havia se pronunciado oficialmente sobre o caso. Triaca viajou ao litoral e a previsão é que ele se reúna com Macri ao retornar, na semana que vem.

Veja também

Equipes buscam sobreviventes de terremoto que deixou quase 20 mortos na Grécia e Turquia
Magnitude 7

Equipes buscam sobreviventes de terremoto que deixou quase 20 mortos na Grécia e Turquia

Jornalista mexicano é assassinado na fronteira com os EUA, o sexto em 2020
Mundo

Jornalista mexicano é assassinado na fronteira com os EUA, o sexto em 2020