A-A+

Morales diz que, legalmente, continua sendo presidente da Bolívia

Para ele, renúncia tinha que ser aceita ou rejeitada pelo Legislativo

Evo MoralesEvo Morales - Foto: AFP

O ex-presidente Evo Morales afirmou nesta quinta-feira (19) que continua sendo chefe do governo da Bolívia, já que sua renúncia, apresentada por causa de um golpe de Estado, devia ter sido aceita ou rejeitada pelo Congresso, o que “nunca ocorreu”.

Morales fez a afirmação na manhã desta quinta-feira, durante entrevista à imprensa no Centro Cultural da Cooperação, em Buenos Aires.

Leia também:
Procuradoria boliviana ordena a prisão do ex-presidente Evo Morales
Chanceler boliviana diz que país terá novas eleições entre março e abril
Evo Morales deixa asilo no México e vai para a Argentina

O ex-presidente está na Argentina há uma semana, na condição de refugiado. Ele renunciou à Presidência da Bolívia no dia 10 de novembro e asilou-se no México.

Morales tinha sido eleito para mais um mandato presidencial em 20 de outubro deste ano, mas as eleições foram anuladas após a constatação de graves irregularidades e fraude, indicadas por uma auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Nesta quinta-feira, em mensagem no Twitter, ele diz que, legalmente, continua sendo presidente da Bolívia, porque sua "renúncia não foi considerada pela Assembleia Legislativa, como dispõe o Artigo 161 número 3 da Constituição Política do Estado".

Além disso, Morales diz que não foram cumpridos os procedimentos para uma sucessão constitucional, razão pela qual a senadora Jeanine Áñez proclamou-se ilegalmente presidente após a renúncia dele.

Veja também

Estudantes voltam às ruas em mais uma greve por ações climáticas
Mobilização

Estudantes voltam às ruas em mais uma greve por ações climáticas

Kremlin culpa população por fracasso da campanha de vacinação
Rússia

Kremlin culpa população por fracasso da campanha de vacinação