Morre bebê durante resgate de imigrantes no Mediterrâneo

As operações de resgate foram dificuldades nos últimos dias pelo mau tempo

Barcos com imigrantes foram resgatados na costa da LíbiaBarcos com imigrantes foram resgatados na costa da Líbia - Foto: Aris Messinis/AFP

Um bebê eritreu de três meses morreu a bordo do barco humanitário que o resgatou no Mediterrâneo em meio ao mau tempo e falta de embarcações de resgate, informou nesta quinta-feira uma ONG.

Cerca de 1.600 imigrantes foram resgatados desde terça-feira em frente à costa líbia, entre eles muitas mulheres e crianças.

As operações de resgate foram dificuldades nos últimos dias pelo mau tempo e os barcos humanitários da Proactiva Open Arms e Sea-Watch não têm dado conta do trabalho diante do grande número de pessoas. "Esta é uma das situações mais difíceis que já enfrentamos", reconheceu à AFP Laura Lanuza, porta-voz da ONG espanhola Proactiva Open Arms.

Leia também:
Trump usa palavras ofensivas ao falar de imigrantes haitianos e africanos
Trump anuncia projeto para reduzir à metade a imigração legal aos EUA
Chegadas de imigrantes à Espanha pelo mar triplicaram em 2017


Na terça-feira, uma mulher com um bebê que quatro dias de vida foram resgatados por um helicóptero. Durante a difícil operação de salvamento, o médico responsável não detectou que entre os 28 bebês a bordo um eritreu de 3 meses estava desnutrido e com febre alta. Ele morreu algumas horas depois.

Outro bebês e um jovem foram encontrados mortos na terça numa embarcação lotada com 400 pessoas e resgatada pela Proactiva.

"Os barcos de resgate operam no limite de sua capacidade. Alguns navios de carga estão desviando seu curso para ajudar", contou Klaus Merkle, coordenador de resgates do navio Acuario, fretado pela ONG Mediterrâneo SOS e Médicos Sem Fronteiras.

Veja também

Alemanha fecha restaurantes, setor cultural e de lazer a partir segunda-feira
Coronavírus

Alemanha fecha restaurantes, setor cultural e de lazer a partir segunda-feira

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão
EUA

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão