Morre indígena ferido em conflito com militares venezuelanos

Rolando Garcia Martinez, 52 anos, estava em estado grave na UTI do Hospital Geral de Roraima (HGR)

Hospital Geral de RoraimaHospital Geral de Roraima - Foto: Divulgação

Morreu neste sábado (2) o indígena venezuelano Rolando Garcia Martinez, de 52 anos, baleado durante um confronto entre manifestantes e militares, na fronteira do Brasil com a Venezuela. Segundo a Secretaria de Saúde de Roraima, essa é a segunda morte decorrente do conflito, em 22 de janeiro, após o bloqueio militar na região fronteiriça para impedir a entrada de medicamentos e ajuda humanitária.

Martinez encontrava-se em estado grave e respirava com a ajuda de aparelhos, internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Geral de Roraima

A primeira morte, de Kliver Alfredo Pérez Rivero, de 24 anos, foi comunicado pelo governo roraimense na última quarta-feira (27). O jovem morreu de falência múltipla de órgãos, devido a complicações provocadas pelos ferimentos. A pasta informa também que 19 indígenas feridos no confronto ainda estão internados, todos em um quadro de saúde estável.

Leia também:
Guaidó diz, no Twitter, que vai retornar à Venezuela
Governo brasileiro pede segurança na volta de Guaidó à Venezuela
EUA e Rússia se enfrentam por crise na Venezuela


O conflito ocorreu a 60 quilômetros da fronteira, na comunidade indígena da etnia Pemon. O conflito teve início quando os indígenas tentaram desobstruir a via, impedida pelos militares venezuelanos.

Veja também

Confiança na economia é central para superar crise da Covid-19, diz Davos
Economia

Confiança na economia é central para superar Covid-19, diz Davos

Alemanha vai adotar tratamento experimental usado por Trump
Coronavírus

Alemanha vai adotar tratamento experimental usado por Trump