Morre Vera Rubin, a astrônoma que confirmou existência da matéria escura

Em 1993, ela recebeu a Medalha Nacional de Ciências do então presidente americano, Bill Clinton

Ato pediu o veto presidencial ao Projeto de Lei aprovado pelo Congresso.Ato pediu o veto presidencial ao Projeto de Lei aprovado pelo Congresso. - Foto: Jose Britto / Folha de Pernambuco

A astrônoma americana Vera Rubin, que pôs em evidência a existência da matéria escura no universo, morreu no domingo (25) aos 88 anos em Princeton, Nova Jersey.

"Rubin era um tesouro nacional como astrônoma e um exemplo formidável para os jovens cientistas", disse o presidente do Instituto Carnegie para a Ciência, Matthew Scott, em uma nota datada de segunda-feira.

Rubin sofreu as desvantagens de ser mulher e lutou contra elas. Rejeitada pelo prestigioso programa de astronomia da Universidade de Princeton, que só admitia homens, se formou nas universidades Cornell e de Georgetown, e foi uma enérgica defensora dos direitos das mulheres.

Rubin foi a primeira mulher a ter acesso ao Observatório Palomar, na Califórnia, em 1965.

Contratada em 1965 pelo departamento de magnetismo terrestre do Instituto Carnegie, se interessou rapidamente pelos movimentos das galáxias e sua rotação.

Junto com seu colega Kent Ford, descobriu que no interior das galáxias a velocidade das estrelas não obedecia estritamente às leis da gravidade. A partir disso, deduziu a existência de uma massa invisível, a matéria escura, que representa 90% do universo.

A teoria da matéria escura tinha sido apresentada em 1933 pelo astrofísico suíço Fritz Zwicky, mas Rubin a confirmou.

Em 1993, ela recebeu a Medalha Nacional de Ciências do então presidente americano, Bill Clinton.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump