Mulheres ganharam 16% a menos em média que os homens na UE em 2016

Eurostat também comparou a situação salarial entre 2016 e 2011, indicando uma diminuição da brecha na maioria dos países da UE.

Mulheres no mercado de trabalhoMulheres no mercado de trabalho - Foto: Arquivo/ Agência Brasil

Para cada euro recebido por um homem na União Europeia (UE) em 2016, uma mulher ganhou em média 0,84 centavos de euro - informou a agência europeia de estatísticas Eurostat nesta quarta-feira (7).

"Em 2016, a diferença salarial não corrigida entre homens e mulheres apenas superava 16% na União Europeia", indicou, em um comunicado, apontando que a menor diferença foi registrada na Romênia.

Abaixo da média de 16,2%, além da Romênia (5,2%) se situaram a Itália (5,3%), Bélgica (6,1%), Polônia (7,2%), Malta (11%), Suécia (13,3%), Espanha (14,2%), Dinamarca (15%) e França (15,2%).

Leia também:
Jornalistas da Folha são homenageadas por trabalho
Desigualdades raciais e de gênero se mantêm no país, segundo estudo


Já a Estônia (25,3%) lidera o grupo de países com uma diferença superior à média, seguida pela República Tcheca (21,8%) e pelas duas primeiras economia do bloco - Alemanha (21,5%) e Reino Unido (21%).

Por ocasião do Dia Internacional da Mulher, 8 de março, o Eurostat também comparou a situação salarial entre 2016 e 2011 (16,8%, de média), indicando uma diminuição da brecha na maioria dos países da UE.

No entanto, a diferença salarial progrediu em dez países, com Portugal liderando. As portuguesas ganharam 17,5% a menos do que os portugueses em 2016, ou seja, 4,6 pontos a mais do que cinco anos antes.

Os demais países onde houve um aumento foram Bulgária, Irlanda, Croácia, Lituânia, Malta, Polônia, Eslovênia e Reino Unido. Na segunda economia da UE, a diferença aumentou 1,3% em relação a 2011.

Veja também

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA
EUA

Quase 40 milhões de eleitores já votaram antecipadamente nos EUA

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021
Coronavírus

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021