Na Bolívia, indígenas fazem ritual para combater a seca

O abastecimento por tubulações é realizado durante algumas horas

Confira as principais manchetes de hojeConfira as principais manchetes de hoje - Foto: Divulgação

 

Yatiris (xa­­mãs) e amautas (sábios) aymaras realizaram ontem rituais andinos para atrair chuvas, quase um mês depois do início de um severo racionamento de água que afeta sete das 10 principais cidades da Bolívia, resultado da pior seca dos últimos 25 anos no país.

O “jallupacha” é “para receber a chuva, para que caia água em todo o país”, afirmou Wilfredo Murga, membro do Conselho Nacional de Ayllus (comunidades), que liderou o ritual indígena na cidade de El Alto, a 4.000 metros de altura, vizinha à La Paz, sede do governo.

Homens e mulheres indígenas adornados com vestimentas tradicionais multicolores realizaram sahumerios (processo de gerar fumaças aromáticas com o objetivo de purificar), que consistem na queima de doces, ervas aromáticas, sementes e diferentes raízes, pedindo ao céu que propague chuvas.

Murga contou, ainda, que a água usada nos rituais foi trazida em vasos de barro de lugares sagrados que se situam no nevado Illimani (6.400 de altitude), ao sul de La Paz, e das regiões cocaleiras dos Yungas, nas faldas da Cordilheira Oriental dos Andes.

Há mais de três semanas, as cidades de La Paz e El Alto, as mais populosas do país, sofrem fortes racionamentos de água potável. O abastecimento por tubulações é realizado durante algumas horas, com intervalo de vários dias, e com o apoio insuficiente de caminhões-pipa.

 

Veja também

Velocidade, pressão e tecnologia, o futebol ficou mais 'difícil' depois de Pelé
Rei 80

Velocidade, pressão e tecnologia, o futebol ficou mais 'difícil' depois de Pelé

Trump e Biden se enfrentam em último debate sob tensão máxima
EUA

Trump e Biden se enfrentam em último debate sob tensão máxima