A-A+

Nicarágua ordena expulsão de missão da ONU

De acordo com um membro da equipe, o Conselho de Segurança da ONU deve discutir a situação na Nicarágua no próximo dia 5 de setembro

Protesto contra governo na NicaráguaProtesto contra governo na Nicarágua - Foto: Inti Ocon/AFP

O governo da Nicarágua ordenou nesta sexta-feira (31) a expulsão de uma equipe de direitos humanos da ONU dois dias depois da publicação de um relatório em que critica o ditador Daniel Ortega pela repressão a oposicionistas.

"Considerando que acabaram as razões, as causas e as condições que deram origem ao convite [à missão da ONU], este ministério comunica que dá por concluído o convite e finalizada a visita a partir de hoje, 30 de agosto de 2018", afirma carta do Ministério das Relações Exteriores da Nicarágua.

A carta foi assinada pelo chanceler Denis Moncada e dirigida à diretora do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU na América Central, Marlene Alejos, com cópia ao comissário Zeid Ra' ad Al Hussein.  É dado um prazo de duas horas para que a delegação, liderada por Guillermo Fernández Maldonado, deixe o país.

De acordo com um membro da equipe, o Conselho de Segurança da ONU deve discutir a situação na Nicarágua no próximo dia 5 de setembro. "Esta insólita decisão inoportuna e reflete o ânimo de uma pessoa que se sente completamente perdida, que já não pode ocultar suas responsabilidades e seguir ocultando a verdade", disse a presidente do Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH), Vilma Núñez, referindo-se a Ortega.

Leia também:
'O clima é de medo', diz cineasta brasileira deportada da Nicarágua
Brasileira é detida e deportada da Nicarágua

O relatório, divulgado na última quarta-feira (29) pelo Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU descreve um esforço de repressão abrangente por parte do governo e insta Ortega a interromper imediatamente as perseguições dos manifestantes e a desarmar os civis armados responsáveis por muitas das mortes e das detenções arbitrárias no país centro-americano.

O governo respondeu que o relatório era tendencioso e não considerava que as ações ocorriam dentro de um contexto de uma tentativa de golpe de Estado contra Ortega.
A repressão aos protestos deixou pelo menos 317 mortos entre 18 de abril e 30 de julho, inclusive civis e menores de idade.

No sábado passado (25), a documentarista brasileira Emilia Mello foi detida e depois deportada do país após ser presa enquanto ia para um protesto na cidade de Granada.
O relatório cita detenções ilegais, tortura e julgamentos a portas fechadas. Médicos, professores e juízes que se posicionaram ou protestaram foram demitidos de suas funções para desencorajar pessoas de participar ou apoiar os protestos.

"O nível de perseguição é tal que muitos daqueles que participaram nos protestos, defenderam os direitos dos manifestantes ou simplesmente expressaram opiniões dissidentes foram forçados a se esconderem, deixaram a Nicarágua ou estão tentando fazê-lo", afirmou o relatório.

Veja também

Após breve pausa, vulcão das Canárias volta a expelir cinzas
La Cumbre Vieja

Após breve pausa, vulcão das Canárias volta a expelir cinzas

Assembleia Geral da ONU expôs desconfiança e preocupações semelhantes, diz seu presidente
Mundo

Assembleia Geral da ONU expôs desconfiança e preocupações semelhantes, diz seu presidente