Novato na política e ex-ministra conservadora disputam segundo turno na Lituânia

Os lituanos votaram, neste domingo (12), no primeiro turno da eleição presidencial, em meio a uma crescente diferença entre ricos e pobres no país

Lituânia realizou eleições e elegeu novo presidenteLituânia realizou eleições e elegeu novo presidente - Foto: Petras Malukas / AFP

O economista Gitanas Nauseda, sem antecedentes políticos foi o mais votado neste domingo no primeiro turno das eleições presidenciais lituânias e em duas semanas enfrentará a conservadora e ex-ministra das Finanças Ingrida Simonyte

O primeiro-ministro da Lituânia, o centro-esquerdista Saulius Skvernelis, foi eliminado da disputa e anunciou na noite deste domingo que renunciará ao cargo de chefe de governo em julho.

Os lituanos votaram, neste domingo (12), no primeiro turno da eleição presidencial, em meio a uma crescente diferença entre ricos e pobres no país, apesar do crescimento econômico invejável.

Nove candidatos disputaram o primeiro turno para substituir Dalia Grybauskaite, que encerra o seu segundo mandato, e que poderá tentar suceder Donald Tusk como presidente do Conselho Europeu.

Com o fechamento das urnas, a taxa de participação no pleito foi de 56,45%, segundo a comissão eleitoral.

Leia também:
Indianos vão às urnas na penúltima fase das eleições gerais
Sem acordo, Reino Unido terá que participar das eleições europeias

A conservodara Simonyte é popular entre os habitantes urbanos abastados e instruídos, Nauseda propôs durante toda a campanha combater a injustiça social no país de 2,8 milhões de habitantes, com uma população em declínio devido à migração maciça de jovens para o Ocidente.

Já o derrotado primeiro-ministro de centro-esquerda fez uma campanha com conotações populistas que teve certa acolhida nas zonas rurais desfavorecidas.

Segundo um estudo recente da UE, cerca de 30% da população lituana "corre o risco da pobreza", e esse número é quase duas vezes maior nas zonas rurais.

"Os cidadãos têm fome de justiça social e buscam um candidato capaz de superar a polarização social atual", disse à AFP Donatas Puslys, analista do Instituto de Análise Política de Vilnius.

Todos os candidatos são partidários da União Europeia e da Otan.

Os lituanos viram seus salários crescerem quase 10% ao ano nos últimos dois anos. O salário bruto médio chegou a 970 euros. Mas a pobreza e a desigualdade de renda continuam entre as mais altas da UE.

- Contra os "elitistas" -
"Não podemos isolar Vilnius do resto da Lituânia", disse Simonyte, de 44 anos, em seu último comício na capital. Ela propôs reduzir as desigualdades estimulando o crescimento.

Ela também criticou os populistas que "sugerem soluções rápidas e simples, mas enganosas".

Liberal, Simonyte apoia a união entre pessoas do mesmo sexo. Uma eleitora de Vilnius, Giedre Stankute, disse à AFP no sábado que gostaria de "grandes mudanças, porque a Lituânia de hoje é muito conservadora".

Skvernelis, um ex-chefe de polícia de discurso franco, dirige sua campanha aos lituanos descontentes que vivem principalmente em áreas rurais.

Com 48 anos, às vezes impetuoso, ele chamou seus rivais de "elitistas" e prometeu "combater a corrupção de forma eficaz", reduzir a exclusão social e apoiar as famílias.

Ex-assessor de um banco mercantil, de 54 anos, Nauseda seduz os eleitores que procuram um presidente imparcial que supere as disputas políticas.

Tendo cumprido o seu dever cívico já na sexta-feira, no âmbito do voto antecipado, Nauseda disse sentir que tinha a pesada responsabilidade de reduzir a polarização e permitir a Lituânia recuperar a dignidade e o respeito mútuo.

Na Lituânia, o presidente não exerce poder político diariamente, mas é responsável pela política externa e participa das cúpulas da UE.

Nomeia ministros, juízes e chefes do Exército e do Banco Central, mas na maioria das vezes precisa obter o consentimento do primeiro-ministro ou do Parlamento.

As assembleias de voto abriram às 07h00 (01h00 de Brasília) e devem fechar às 20h00 (14h00 de Brasília).

Veja também

Washington reforça segurança por risco de violência antes da posse de Biden
Mundo

Washington reforça segurança por risco de violência antes da posse de Biden

Turba que tomou Capitólio pretendia 'capturar e assassinar' legisladores
EUA

Turba pretendia 'capturar e assassinar' legisladores