O vai e vem das pesquisas nos EUA

A cinco dias das eleições, nova enquete atribui à candidata Hillary Clinton vantagem sutil de três pontos

Senador Armando Monteiro Neto no plenário da CasaSenador Armando Monteiro Neto no plenário da Casa - Foto: Ana Luisa Souza/Divulgação

 

WASHINGTON (AFP) - Novas pesquisas de opinião publicadas nos Estados Unidos mantêm Hillary Clinton à frente de Donald Trump na disputa pela Casa Branca, tranquilizando os mercados mundiais que sofreram quedas depois que o republicano conseguiu reduzir a vantagem da democrata.

A cinco dias das eleições, o jornal The New York Times e a emissora CBS divulgaram ontem uma pesquisa que atribui a Hillary 45% das intenções de voto contra 42% para o candidato republicano, uma brecha equivalente à margem de erro. Dois aspirantes de partidos menores somam juntos 9% das intenções de voto.

A pesquisa anterior, divulgada em meados de outubro, dava à ex-secretária de Estado americana uma vantagem de 9 pontos sobre o bilionário.

Apesar de a distância entre os dois candidatos ter diminuído, há sinais positivos para Hillary, que quer se tornar a primeira mulher a chegar à Casa Branca: os modelos de previsão do The New York Times e do site FiveThirtyEight preveem uma vitória democrata com 86% e 67% dos votos, respectivamente.

Tranquilizados com as novas pesquisas que dão, aainda que com uma margem limitada, a dianteira a Hillary, os mercados europeus e asiáticos se estabilizavam após sofrerem uma queda na última quarta-feira.

Em 2012 na mesma época, Barack Obama, que buscava a reeleição, e Mitt Romney estavam cabeça a cabeça nas pesquisas, mas o presidente acabou vencendo por uma margem confortável de 4 pontos.

Impactos
Nas últimas semanas, a corrida sofreu o impacto de eventos surpreendentes e os ventos eleitorais mudaram de direção mais de uma vez.

Hillary beneficiou-se de uma recuperação no começo de outubro, após a difusão de um vídeo no qual Trump falava pejorativamente sobre as mulheres e quando uma série de mulheres o acusou de assédio sexual, o republicano despencou nas pesquisas.

Mas depois que o FBI anunciou a retomada das investigações sobre o uso pela democrata de um servidor privado quando era secretária de Estado (2009-2013), Trump, que estava em desvantagem, tomou impulso e aproveitou a oportunidade para mudar o teor de sua candidatura.
No entanto, os eleitores não parecem dar muita atenção ao festival de acusações e ataques verbais: 92% dizem já ter decidido em quem votar e 62% afirmam que as revelações dos últimos dias não mudarão seu voto.

 

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo