Obama alerta a Trump sobre os riscos de afastamento de um acordo sobre o clima

Trump já chamou o aquecimento global de "farsa" e ameaçou retirar os EUA do Acordo de Paris que entrou em vigor no ano passado

Prefeito de Jaboatão, Andeson Ferreira (PL).Prefeito de Jaboatão, Andeson Ferreira (PL). - Foto: Matheus Brito

Prestes a deixar a presidência dos EUA na próxima semana, o mandatário americano Barack Obama alertou o presidente eleito, Donald Trump, contra os riscos de afastamento de um acordo global sobre o clima, dizendo que as tendências em direção à energia limpa são "irreversíveis" e ajudarão a impulsionar o crescimento econômico. As informações são da agência chinesa Xinhua.

A advertência do atual presidente é pertinente, pois acredita-se que o legado climático e ambiental de Obama possa ser desmantelado por Trump, que já chamou o aquecimento global de "farsa" e ameaçou retirar os EUA do Acordo de Paris que entrou em vigor no ano passado.

Obama escreveu que "um registro científico maciço" mostra que as mudanças climáticas são "reais e não podem ser ignoradas" e que o crescimento contínuo dos emissões de gases de efeito estufa pode elevar as temperaturas médias globais em quatro graus Celsius ou mais até 2100. Esse aumento iria custar à economia mundial cerca de 4% do Produto Interno Bruto, o que pode levar os EUA à perda de receitas de cerca de 340 bilhões a 690 bilhões de dólares a cada ano, disse Obama.

"Embora a nossa compreensão dos impactos das mudanças climáticas seja cada vez mais incrivelmente clara, ainda há um debate sobre o curso adequado para a política dos EUA - um debate que está muito em evidência durante a atual transição presidencial," disse Obama, referindo-se a atitude de Trump, que ameaça abster-se do Acordo de Paris no combate às alterações climáticas.

Obama frisou no entanto que as tendências para uma economia de energia limpa que surgiram durante a sua presidência vão continuar e que “a oportunidade econômica para o nosso país aproveitar essa tendência só vai crescer." Ele observou que entre 2008 e 2015 a economia dos EUA cresceu mais de 10%, enquanto as emissões de dióxido de carbono do setor energético caíram 9,5%, resultado que "deveria rebater o argumento de que o combate às mudanças climáticas requer a aceitação de um menor crescimento ou um padrão de vida mais baixo."

Corrida limpa global

Ele também apontou para o aumento dos investimentos do setor privado em energia limpa, uma queda dramática nos custos de eletricidade renovável e uma corrida global de energia limpa, que até pouco tempo não existia.

"Apesar da incerteza política que enfrentamos, continuo convencido de que nenhum país é mais adequado para enfrentar o desafio do clima e colher os benefícios econômicos de um futuro com baixa emissão de carbono do que os Estados Unidos. A participação contínua dos EUA no Acordo de Paris trará um grande benefício para o povo americano, bem como para a comunidade internacional," disse o atual presidente.

Veja também

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários
Privacidade

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19
Pandemia

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19