Obama denuncia 'discriminação' baseada em 'crença ou religião'

Ex-presidente apoiou protestos contra a nova política migratória do governo de Donald Trump

Presidente Barack Obama em última coletivaPresidente Barack Obama em última coletiva - Foto: NICHOLAS KAMM / AFP

O ex-presidente americano Barack Obama apoiou os protestos em todo o país contra a nova política migratória do governo de Donald Trump e denunciou a discriminação por razões religiosas - disse seu porta-voz Kevin Lewis.

Obama "tem uma divergência fundamental com a ideia de discriminação contra pessoas por sua fé, ou sua religião", informou Lewis no Twitter.

De acordo com Lewis, o ex-presidente se sente "comovido pelo nível de compromisso que tem acontecido em todo o país", em uma referência aos protestos pelas restrições impostas pelo governo à chegada de refugiados e cidadãos de sete países de maioria muçulmana.

Obama - acrescentou Lewis - considera que ver cidadãos "exercendo seu direito constitucional de se reunir, organizar-se e fazer que suas vozes sejam ouvidas é exatamente o que esperamos ver quando os valores dos Estados Unidos estão sob ataque".

Essa é a primeira manifestação pública, embora indireta, do ex-presidente Obama, que em 20 de janeiro passou a Presidência do país a Trump e saiu de férias com a família.

Veja também

Colômbia pode impor restrições a quem não se vacinar, alerta ministro
América Latina

Colômbia pode impor restrições a quem não se vacinar, alerta ministro

Com 54% da população totalmente vacinada, Portugal alivia restrições contra a Covid-19
PANDEMIA

Com 54% da população totalmente vacinada, Portugal alivia restrições contra a Covid-19