Obama pede que 'esperança' vença o 'medo' em comício de Clinton

Ao menos 40 mil pessoas lotaram o Independence Mall da Filadélfia para ver a Hillary

João Paulo, Lula, Bruno Ribeiro e Luiz Dulci conversaram sobre PED e conjuntura nacionalJoão Paulo, Lula, Bruno Ribeiro e Luiz Dulci conversaram sobre PED e conjuntura nacional - Foto: Divulgação

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu a seus compatriotas que "rejeitem o medo" e votem na "esperança" para eleger Hillary Clinton nesta terça-feira.

"Aposto que os Estados Unidos vão rejeitar a política do ressentimento e escolher a política que diz que unidos somos mais fortes. Aposto que amanhã vocês vão rejeitar o medo e escolher a esperança", disse Obama nesta segunda-feira, durante o comício democrata na Filadélfia.

Em seu discurso, Hillary declarou que "como o presidente lhes disse, a escolha é clara nesta eleição: entre a divisão e a unidade, entre uma economia que funciona para todos e outra apenas para os que estão lá em cima".

Ao menos 40 mil pessoas lotaram o Independence Mall da Filadélfia para ver a Hillary, seu marido Bill, Barack Obama e sua esposa, Michelle.

Os roqueiros Bruce Springsteen e Jon Bon Jovi também participaram do evento, um dos últimos comícios da agenda de Hillary Clinton na corrida pela Casa Branca.

Trata-se de um novo recorde para Hillary Clinton, que reuniu 18.500 pessoas em um comício em Ohio, recordou o porta-voz.

Ao iniciar seu último dia de campanha, Clinton, 69 anos, se comprometeu nesta segunda-feira a trabalhar para unir o país, caso seja eleita a primeira mulher presidente dos Estados Unidos.

"Tenho muito trabalho para unificar o país. Realmente quero ser a presidente de todos, das pessoas que votaram em mim e das pessoas que votaram contra mim", disse no aeroporto de Westchester, na região de Nova York.

Veja também

Ataque suicida perto de escola deixa 18 mortos no Afeganistão
TERROR

Ataque suicida perto de escola deixa 18 mortos no Afeganistão

Espanha considera 'estado de alarme' por Covid-19; Madri impõe novas restrições
Coronavírus

Espanha considera 'estado de alarme' por Covid-19; Madri impõe novas restrições