Obituário 'sincerão' diz que morto 'deixou esse mundo sem contribuir com nada'

O texto era mais longo, mas precisou ser cortado para caber no jornal e a frase acabou ficando descontextualizada, explicaram os parentes

Cemitério Morada da PazCemitério Morada da Paz - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Um obituário publicado em um jornal de Barcelona deixou os leitores com a pulga atrás da orelha. O texto dizia que o morto, um homem de 77 anos, "deixou este mundo sem contribuir com nada".

O obituário foi publicado no dia 8 de fevereiro em duas línguas, espanhol e catalão, e dizia: "Filho de Pilar e Emilio. Deixa este mundo sem ter contribuído com nada importante. Crente em um Deus que eu espero que exista. Seus primos e familiares comunicam aos amigos e conhecidos e pedem uma oração em sua lembrança".

Leia também:
Família é resgatada por trem de Harry Potter na Escócia
Templo budista de 2 mil toneladas muda de lugar na China


A história chamou tanta atenção que o jornal "La Vanguardia" decidiu esclarecer o motivo de os parentes terem descrito o morto com tanta, digamos, sinceridade. Um repórter foi então ao funeral de Emilio Miró Paniello, onde conversou com a família. Eles disseram que foi o próprio falecido quem deixou um testamento em vida com a frase escrita, e que a frase é literal.

Obituário sincerão

Crédito: Reprodução



O texto era mais longo, mas precisou ser cortado para caber no jornal e a frase acabou ficando descontextualizada, explicaram os parentes.

"Era um homem de cultura muito elevada e também muito modesto. Fez sim, muitas coisas importantes, mas quis deixar o próprio obituário com sua maneira de ser", relataram os familiares. "Ele teria ficado boquiaberto em saber da repercussão do texto."

 

Veja também

Google bloqueia rede de crimes cibernéticos que 'sequestrava' um milhão de dispositivosSegurança nas redes

Google bloqueia rede de crimes cibernéticos que 'sequestrava' um milhão de dispositivos

Chile dá novo passo contra discriminação e aprova casamento homoafetivoMundo

Chile dá novo passo contra discriminação e aprova casamento homoafetivo