OEA descarta fraude nas eleições americanas

Em muitas jurisdições, estão em vigor medidas para combater a fraude, mas minorias como latinos e negros denunciam um padrão de discriminação

Odacy Amorim (PT), deputado estadualOdacy Amorim (PT), deputado estadual - Foto: Roberto Soares/Alepe

A missão eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) anunciou nesta segunda-feira (7) que não existe um esforço sistemático para fraudar a eleição à presidência dos Estados Unidos, que acontece nesta terça (8), contrariando denúncias feitas pelo candidato republicano, Donald Trump.

À frente de uma histórica primeira missão de observação eleitoral da OEA em território americano, a ex-presidente da Costa Rica Laura Chinchilla disse que foram analisadas várias denúncias sobre o processo eleitoral "que vêm por igual" - tanto de representantes democratas quanto de republicanos e de organizações civis.

"O que não podemos dizer é que existe um esforço sistemático em escala nacional que siga um padrão determinado", afirmou, em entrevista à AFP.

Para Chinchilla, as denúncias recebidas se referem, em geral, a limitações impostas no registro dos eleitores para votar, ou aos tipos de identificação que devem apresentar no dia da eleição.

Em muitas jurisdições, estão em vigor medidas para combater a fraude, mas minorias como latinos e negros denunciam um padrão de discriminação.

Esses temores aumentam com a supressão, em 2013, pela Suprema Corte, de parte da Lei de Votação, que obrigava um estado a pedir a autorização do Departamento de Justiça para qualquer reforma de seu sistema eleitoral.

"Mas o sistema parece, até agora, estar processando as denúncias", disse a ex-presidente costa-riquenha.

E, embora o tom elevado da campanha tenha gerado expectativa de violência, Chinchilla afirmou que os casos de intimidação contra eleitores são mínimos até o momento.

"Estaremos vigilantes", comentou.

A missão eleitoral da OEA começou há duas semanas e, nos últimos dias, os observadores percorreram centros de votação em vários estados.

Nesta terça (8), a missão do órgão visitará 12 estados, que representam uma variedade de sistemas e de inclinações políticas - do estado democrata da Califórnia ao republicano de Montana.

Também visitarão alguns dos estados, onde a briga está mais acirrada, como Ohio. Estão excluídos da Flórida, porém, já que, devido às particularidades do sistema, não se permite observação internacional.

"A ideia é contrastar", disse Chinchilla, que deverá apresentar aos países-membros da OEA as "melhores práticas" encontradas.

Chinchilla reconheceu que a extensão do território americano e a diferença de sistemas representa um desafio para a OEA.

"No fundo, é como observar 50 países ao mesmo tempo organizando uma eleição", apontou.

Na quarta-feira (9), Laura Chinchilla divulga para a imprensa suas observações preliminares do dia de votação, antes de encerrar formalmente sua missão, entregando um informe definitivo ao Conselho Permanente da OEA em três meses.

Veja também

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão
EUA

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra
Coronavírus

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra