OEA pede explicações sobre interrupção de contagem de votos na Bolívia

Apuração foi interrompida no domingo (20) à noite e deveria ser retomada nesta segunda-feira (21)

Eleições na BolíviaEleições na Bolívia - Foto: Aizar Raldes/AFP

A Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu que o Tribunal Supremo Eleitoral boliviano explique porque a transmissão dos resultados preliminares foi interrompida na noite do domingo (20). A Missão de Observação Eleitoral conta com 92 observadores e acompanha as eleições na Bolívia e o processo de publicação de resultados.

A OEA afirmou, no Twitter, que a Missão tem observadores e técnicos nos nove Tribunais Eleitorais Departamentais (TED) e que é crucial que o processo transcorra com agilidade e transparência. A OEA também tem observadores para o processo eleitoral boliviano no exterior em três países: Argentina, Brasil e Estados Unidos.

O último resultado parcial na página do Órgano Electoral Plurinacional (OEP) da Bolívia foi publicado às 19h40 da noite de ontem (20). O informe afirma que 89% das urnas tinham sido apuradas, com 45,28% dos votos para Evo Morales contra 38,16% para Carlos Mesa.

Leia também:
Evo Morales lidera eleições na Bolívia, mas irá para segundo turno inédito
Bolívia aguarda resultado de eleição que aponta tendência de 2º turno
Bolsonaro critica Evo Morales e diz que maiores incêndios florestais ocorrem na Bolívia 

Por volta das 23h de ontem (20), o Tribunal Supremo Eleitoral havia interrompido a contagem dos votos. A informação é de que a apuração seria retomada na manhã de hoje.

Na Bolívia, para vencer a eleição em primeiro turno, o candidato deve receber mais de 50% dos votos ou 40% com uma diferença de mais de dez pontos percentuais em relação ao segundo colocado.

Cerca de 7,3 milhões de bolivianos estavam aptos a votar nas eleições de ontem. Até a divulgação do resultado parcial, Evo Morales tinha 2,2 milhões de votos e Carlos Mesa, 1,9 milhões. Este resultado parcial leva as eleições para um segundo turno, a ser realizado no dia 15 de dezembro. A posse acontecerá dia 22 de janeiro de 2020.

Candidatura questionada
O atual presidente, Evo Morales, concorre ao quarto mandato consecutivo, com uma candidatura à reeleição questionada pela oposição.

Em fevereiro de 2016, Morales perdeu nas urnas um referendo sobre a possibilidade de reeleição. A opção "não" teve 51,3% dos votos. No entanto, uma decisão do Tribunal Constitucional, em 2017, habilitou Morales a seguir concorrendo à reeleição indefinidamente, alegando que é um direito humano o de "eleger e ser eleito". A oposição afirma que Morales está desrespeitando o voto e a escolha dos cidadãos no referendo de 2016.

O presidente da Colômbia, Iván Duque, disse que fará uma consulta à Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), sobre os riscos de reeleições indefinidas para a democracia na América Latina. Ele afirma que a prática é antidemocrática e traz riscos para as instituições.

Veja também

Justiça da Bolívia anula ordem de prisão contra Evo Morales
internacional

Justiça da Bolívia anula ordem de prisão contra Evo Morales

Vantagem de Biden sobre Trump cai 2 pontos percentuais em uma semana
EUA

Vantagem de Biden sobre Trump cai 2 pontos percentuais em uma semana