Onda de ataques deixa 4 mortos e eleva tensão na Cisjordânia; veja fotos

Porta-voz do Exército israelense, Jonathan Conricus, disse que o atirador havia saído de um carro próximo ao assentamento judaico de Ofra e abriu fogo contra civis e militares

Atirador palestino mata dois soldados israelensesAtirador palestino mata dois soldados israelenses - Foto: Abbas Momani / AFP

Um atirador palestino matou dois soldados israelenses em um ponto de ônibus na Cisjordânia nesta quinta-feira (13), horas depois que forças israelenses mataram dois membros do Hamas acusados por ataques anteriores contra alvos de Israel. O porta-voz do Exército israelense, Jonathan Conricus, disse que o atirador havia saído de um carro próximo ao assentamento judaico de Ofra e abriu fogo contra civis e militares. Um terceiro soldado israelense ficou ferido.

O ataque ocorreu próximo ao local onde atiradores a bordo de um carro feriram sete israelenses no domingo (9), entre elas uma mulher grávida. Ela teve um parto prematuro, e o bebê morreu. Em buscas durante a madrugada na Cisjordânia, Israel disse que seus comandos mataram o palestino responsável pelo ataque de domingo e outro palestino acusado de ataque em 7 de outubro em que dois civis foram mortos.

Em dois outros incidentes na quinta, a polícia disse que um palestino esfaqueou e feriu dois policiais israelenses em Jerusalém Oriental antes de ser morto, enquanto o Exército afirmou que um motorista palestino realizou ataque na Cisjordânia contra soldados israelenses, ferindo um deles. As forças israelenses responderam, e o motorista foi morto.

Leia também
Adolescente palestina que agrediu soldados israelenses deixa a prisão
Contra trégua em Gaza, ministro israelense renuncia


O veículo do ataque desta quinta fugiu em direção a Ramallah, disse Conricus, e em reação os postos de passagem para a cidade da Cisjordânia foram fechados.
O premiê Binyamin Netanyahu adotou uma série de medidas de segurança na Cisjordânia em resposta aos incidentes, entre elas a demolição dentro de 48 horas das casas dos palestinos acusados pelas agressões, o aumento das detenções de militantes do Hamas e o aumento da presença de forças israelenses na região.
Netanyahu anunciou ainda a legalização de milhares de casas em assentamentos judaicos na Cisjordânia.

"Vamos acertar as contas com quem quer tenha feito isso", afirmou. "Nosso princípio é o de que quem nos machuca ou tenta nos machucar deve ser responsabilizado." Nenhum grupo assumiu responsabilidade pelos ataques. Mas Fawzi Barhoum, porta-voz do Hamas baseado em Gaza, disse que foram "uma operação heroica e corajosa". O governo da Autoridade Nacional Palestina, de Mahmoud Abbas, condenou a violência.

Veja também

Israel retira obrigatoriedade de uso de máscara em locais públicos fechados
Pandemia

Israel retira obrigatoriedade de uso de máscara em locais públicos fechados

Chile vacinará com Pfizer menores de 45 anos que tomaram 1ª dose da AstraZeneca
Vacinação

Chile vacinará com Pfizer menores de 45 anos que tomaram 1ª dose da AstraZeneca