ONG processa Trump por violar Constituição com seus negócios

"Sem mérito. Totalmente sem mérito", disse Trump a jornalistas em referência à ação

Presidente dos EUA, Donald TrumpPresidente dos EUA, Donald Trump - Foto: Saul Loeb/AFP

Uma organização de defesa da ética governamental abriu nesta segunda-feira (23) uma ação federal contra o presidente Donald Trump por violar a Constituição ao receber pagamentos de governos estrangeiros em seus prédios e hotéis.

Leia mais:
 Trump proíbe financiamento a entidades que defendem aborto

A ONG Cidadãos para a Responsabilidade e a Ética em Washington (CREW na sigla em inglês) informou ter entrado com uma ação judicial contra Trump, preparada por vários advogados e acadêmicos de alto perfil, na corte federal do sul de Manhattan, onde se encontram vários prédios do presidente, como a Trump Tower.

"Sem mérito. Totalmente sem mérito", disse Trump a jornalistas em referência à ação, depois de assinar vários decretos no Salão Oval da Casa Branca.

Trump, o presidente mais rico na história dos Estados Unidos e dono de uma vasta rede de hotéis, clubes de golfe e residências de luxo em 20 países, cedeu o controle de seu império a seus dois filhos homens mais velhos poucos dias antes de assumir a Presidência, e disse que eles não falarão negócios durante seus quatro anos de governo.

Para muitos especialistas em ética governamental a decisão não evita os conflitos de interesse e o deixa vulnerável a suspeitas de corrupção, motivo pelo qual ele deveria vender seus ativos.

A CREW, que fez o anúncio em um comunicado em seu site, lembrou que uma cláusula da Constituição dos EUA proíbe os presidentes receber dinheiro de governos estrangeiros ou empresas propriedade de governos estrangeiros, sem a permissão do Congresso.

A advogada de Trump, Sheri Dillon, anunciou há duas semanas que o presidente doará o dinheiro recebido de governos estrangeiros ao Tesouro americano.

"Estou imensamente orgulhoso de estar apresentando esta ação para impedir que o presidente Trump ponha sua contínua busca por riqueza, e sua vontade de servir interesses estrangeiros que alimentam essa riqueza, à frente dos interesses e das necessidades dos cidadãos americanos e organizações de vigilância como a CREW", disse um dos autores da ação, o professor de Direito Constitucional da escola de Direito de Harvard Laurence Tribe.

A Tribe afirmou que a ação também pretende que Trump divulgue suas declarações de impostos, que "cerca de 75% dos americanos querem ver".

Para outro autor, Erwin Chemerinsky, decano da escola de Direito da Universidade da Califórnia, a ação pretende "reafirmar que ninguém, nem mesmo o presidente, está acima da Constituição".

Veja também

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip
Realeza

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia
Ásia

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia