Oposição venezuelana rejeita sentença que inibe protestos

Tribunal Supremo de Justiça proibiu convocação e realização de atos que alterem a ordem pública

O ex-presidente Lula em conversa com Marília ArraesO ex-presidente Lula em conversa com Marília Arraes - Foto: Divulgação

Dirigentes da oposição venezuelana rejeitaram, nesta quarta-feira (16), uma sentença judicial que proíbe "convocar e realizar atos que alterem a ordem pública", alegando que criminaliza os protestos. E convocaram a população às ruas contra essa sentença.

A Sala Constitucional do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) "pretende dar um verniz de legalidade à criminalização do protesto", disse o secretário-executivo da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), Jesús Torrealba, ao se referir à decisão divulgada nesta terça. "Pretende amordaçar e amarrar o país. Proíbe os protestos dos cidadãos", acrescentou Torrealba em seu programa de rádio.

Em uma sentença que ordenou ao Parlamento, dominado pela oposição, que "se abstenha" de realizar um julgamento contra o presidente Nicolás Maduro por sua suposta responsabilidade na grave crise do país, o TSJ também proibiu "convocar e realizar atos que alterem a ordem pública; instigações contra autoridades e Poderes Públicos, assim como outras atuações à margem dos direitos constitucionais".

A sentença foi anunciada três dias depois de os delegados do governo e da MUD terem acertado, em uma mesa de diálogo promovida pelo Vaticano, trabalhar para a "normalização" das relações entre os Poderes públicos, tensas desde que a oposição assumiu o controle do Legislativo em janeiro.

Um dos negociadores da oposição, Carlos Ocariz, classificou de inconstitucional a decisão sobre os protestos, denunciando que "tira direitos fundamentais". Ele informou que a MUD recorrerá ao TSJ para apresentar um recurso de amparo contra a sentença.

A MUD convocou, para esta quinta-feira, uma mobilização para a sede da Nunciatura, no leste de Caracas, para protestar contra a medida.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo