Ortega inicia quarto mandato com poder, mas com a economia ameaçada

Esposa de Ortega é a vice-presidente

Café com feminismoCafé com feminismo - Foto: Divulgação

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, foi empossado nesta terça-feira para seu quarto mandato, tendo a esposa Rosario Murillo como vice-presidente, com o controle do parlamento, mas limitado economicamente pela cada vez menor ajuda da Venezuela.

"Ocorreu novamente o milagre de encontrar-nos nesta Praça da Revolução, a praça dos sonhos dos nicaraguenses, da paz e do progresso", declarou Ortega ao tomar posse, em um ato acompanhado pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Ortega prometeu respeitar "a Constituição, as leis, os direitos e as liberdades" dos nicaraguenses.

O casal governa a Nicarágua há anos, mas a partir de agora é oficial. Ortega e sua esposa, a poetisa Rosario Murillo, assumem as rédeas de um dos países mais pobres da América Latina visando, segundo seus detratores, estabelecer um poder dinástico.

"É a primeira vez que um casal assume como presidente e vice-presidente na história da Nicarágua e o segundo caso que se conhece no continente depois de Juan Domingo Perón e sua esposa Isabelita na Argentina", afirmou à AFP o analista e ex-embaixador ante a OEA, Carlos Tünnermann.

Ortega, de 71 anos - que governou durante a revolução sandinista entre 1979 e 1990 e voltou ao poder em 2007-, foi eleito em novembro para um terceiro período consecutivo com 72,5% dos votos, enquanto que seu partido - a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) - obteve 71 das 92 cadeiras no parlamento unicameral.

Mas o panorama econômico é complicado para Ortega devido à redução da cooperação venezuelana e ameaça de legisladores dos Estados Unidos de impulsionar uma lei que condicionaria os empréstimos de organismos multilaterais ao fato de que Manágua realize mudanças políticas.

Entre 2007 e 2016, a cooperação venezuelana somou 4,8 bilhões de dólares, em virtude de um acordo de fornecimento de petróleo em condições vantajosas para Manágua.

Os fundos da generosa cooperação de Caracas permitiram a Ortega impulsionar programas sociais que reduziram a pobreza de 45 a 29% da população, segundo cifras oficiais confirmadas pelo Banco Mundial.

No entanto, depois da queda dos preços do petróleo, o fluxo dessa ajuda decaiu em mais de 50%.

Por outra parte, as denúncias da oposição sobre violações dos direitos humanos e uma suspeita de fraude nas eleições são muitas e preocupam a estabilidade de Ortega.

- Incerteza pelo efeito Trump -

A posse de Donald Trump na Casa Branca poderá piorar a situação econômica da Nicarágua, considerando as que as medidas protecionistas do novo presidente anuncia, afirmo o economista e consultor privado Adolfo Acevedo.

"Agora mesmo há uma grande preocupação na indústria na Nicarágua sobre o que vai acontecer na indústria automotiva do México como efeito das políticas protecionistas de Trump", destacou Acevedo.

Na Nicarágua operam empresas estrangeiras sob o regime de zona franca, que fornecem peças às montadoras sediadas no México, algumas das quais já anunciaram a saída desse país.

- Campo minado -

Os grupos políticos de oposicão, que foram excluídos do process por uma manobra legal, não reconhecerm os resultados das eleições e alertam que manterão a pressão.

"Vamos continuar exigindo que sejam feitas todas as reformas do sitema eleitoral e político para que se respeite o vot das pessoas e para que façamos novas eleições", declarou à AFP a dirigente da Frente Ampla pela Democracia (FAD), Violeta Granera.

A dirigente anunciou que a FAD vai intensificar a luta pacífica nas ruas e a denúncia internacional "para resgatar a democracia e o estado de direito".

"Daniel Ortega está desacreditado dentro e fora da Nicarágua, mas a sociedade não está coesa para exigir que deixe o poder e não continue violando a Constituição", declarou à AFP o sociólogo e catedrático Cirilo Otero.

Os problemas econômicos não são percebidos de maneira clara pela população porque a situação é atenuada pelas remessas familiares, a migração para o exterior e os empréstimos internacionais, destacou Otero, integrante do chamado Grupo dos 27, integrado por intelectuais, políticos e grupos civis.

Nos últimos cinco anos houve protestos de camponeses que são contra a construção de um canal interoceânico, de mineiros contra a concessão a companhias estrangeiras, de taxistas, motoristas de ônibus, comerciantes etc, mas "todos estes protestos não juntaram esforços como sociedade", alertou.

Neste estado de coisas, Ortega manterá seu governo enquanto favorecer o desenvolvimento dos militares, policiais e empresários para que fiquem satisfeitos, enfatizou o analista.

Os que protestam serão neutralizados à força porque "este é um regime que gosta da confusão", afirma o especialista.

"Daniel Ortega é um administrador do caos", conclui.

Veja também

Pedro Castillo toma posse como presidente do Peru
América Latina

Pedro Castillo toma posse como presidente do Peru

Esperança de encontrar sobreviventes de explosão na Alemanha é cada vez menor
Acidente

Esperança de encontrar sobreviventes de explosão na Alemanha é cada vez menor