Papa convoca reunião extraordinária para discutir abusos sexuais

Porta-voz do Vaticano afirmou que o encontro, sem precedentes, será entre 21 e 24 de fevereiro.

Papa FranciscoPapa Francisco - Foto: Divulgação

O papa Francisco convocou os secretários-gerais das conferências episcopais do mundo todo para uma reunião extraordinária na qual será discutida a proteção a menores contra abusos sexuais, afirmou o Vaticano nesta quarta-feira (12). Um porta-voz do Vaticano afirmou que o encontro, sem precedentes, será entre 21 e 24 de fevereiro.

A Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores, criada pelo Papa Francisco em março de 2014, já havia anunciado no domingo (9) a criação de um projeto para colher relatos de vítimas de abusos sexuais cometidos por membros da Igreja Católica. A ideia é criar mecanismos que ofereçam espaços seguros e processos transparentes para que os sobreviventes possam contar suas histórias. O piloto será no Brasil.

No Brasil, o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é Leonardo Steiner, 67.

Leia também:
Milhares de crianças foram vítimas de abusos sexuais na Igreja católica alemã
Há evidências de que Vaticano sabia de acobertamento, diz procurador


O anúncio foi feito após um encontro de três dias do C-9, grupo de nove cardeais de vários países que se reúnem cerca de quatro vezes por ano para aconselhar o papa. O porta-voz disse que a crise dos abusos sexuais foi o tópico principal do encontro, ao qual seis membros compareceram.

A Igreja Católica enfrenta escândalos de abusos sexuais nos EUA, no Chile, na Austrália e na Alemanha, entre outros países. No dia 14 de agosto, a Suprema Corte da Pensilvânia revelou as descobertas da maior investigação até hoje em torno de abusos sexuais na Igreja Católica dos EUA. Segundo o relatório, 301 padres no estado abusaram sexualmente de menores de idade durante os últimos 70 anos.

O Vaticano divulgou um comunicado expressando "vergonha e tristeza" com o episódio e afirmando que o papa Francisco está do lado das vítimas e que "aqueles que sofreram são sua prioridade".

No dia 25 do mesmo mês, o pontífice pediu perdão por crimes passados da igreja. Um dia depois, Francisco foi acusado por um arcebispo de ter acobertado acusações de abuso sexual atribuídas a um ex-cardeal norte-americano de 2013 para cá.

Veja também

Como 46º presidente dos Estados Unidos, Joe Biden entra caminhando na Casa Branca
EUA

Como 46º presidente dos Estados Unidos, Joe Biden entra caminhando na Casa Branca

Cuba espera produzir 100 milhões de doses de sua vacina contra a covid-19 em 2021
Vacina

Cuba espera produzir 100 milhões de doses de sua vacina contra a covid-19 em 2021