Papa disposto a se reunir com governo e oposição da Venezuela

O diálogo instalado em 30 de outubro com o acompanhamento do Vaticano e da Unasul está congelado desde o dia 6 de dezembro

Papa FranciscoPapa Francisco - Foto: Andreas Solaro/AFP

O papa Francisco está aberto a se reunir com delegados do governo da Venezuela e da oposição para buscar soluções para a crise política do país, disse nesta terça-feira o representante do Vaticano em Caracas, Aldo Giordano.

"Da parte do Vaticano há a disponibilidade. Claro que mesmo que digamos que estamos prontos, os protagonistas do diálogo são os venezuelanos (...). Se acharem que é útil, o Papa expressou sua disponibilidade", declarou Giordano a jornalistas após se reunir com deputados oficialistas no Parlamento de maioria opositora. Governo e oposição mencionaram nos dias anteriores a possibilidade de um encontro com o Papa no Vaticano.

Maduro assegurou em 5 de fevereiro que realizava "gestos" para concretizar a reunião, enquanto o presidente do Legislativo, Julio Borges, manifestava na última sexta-feira se tratar de um convite do pontífice às partes. n"Não há um convite formal do Vaticano, há uma expressão, através da Nunciatura, de sua disponibilidade", esclareceu Giordano.

O diálogo instalado em 30 de outubro com o acompanhamento do Vaticano e da União das Nações Sul-americanas (Unasul) está congelado desde o dia 6 de dezembro.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) suspendeu as negociações ao acusar o governo de não cumprir com o acordo. "Há um debate" em busca de "pontos em comum", indicou Giordano sobre a resposta das partes a uma iniciativa dos patrocinadores para reativar as conversas.

Como condição para retomar o diálogo, a oposição exige a realização de eleições regionais - que devem acontecer em dezembro -, a libertação de "presos políticos" e o respeito à autonomia da Assembleia, declarada em desacato pela Justiça.

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd
EUA

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd