Papa Francisco promete ajudar a Argentina na crise da dívida, diz Fernández

No final do encontro, Francisco pediu em espanhol a Fernández e a sua mulher, Fabiola Yáñez, que os dois defendam a paz na Argentina

Alberto Fernández e o Papa FranciscoAlberto Fernández e o Papa Francisco - Foto: REMO CASILLI / POOL / AFP

O presidente argentino, Alberto Fernández, disse que o papa Francisco prometeu a ele fazer tudo o que puder para ajudar na crise da dívida de sua terra natal. Os dois líderes, que se conhecem há anos, se reuniram nesta sexta-feira (31) no Vaticano.

O encontro a portas fechadas durou cerca de 45 minutos, tempo mais longo do que o que o pontífice costuma conceder a outros chefes de Estado, inclusive ao antecessor de Fernández, Mauricio Macri.

"O papa está nos ajudando muito e eu aprecio isso porque ele é um argentino preocupado com sua terra natal. A dívida trouxe pobreza à sociedade", disse o presidente argentino durante entrevista coletiva em frente à embaixada do país em Roma.

Leia também:
Papa nomeia primeira mulher para alto posto diplomático no Vaticano
Papa: 2020 será crucial para concretizar um mundo sem armas nucleares


No final do encontro, que aconteceu na biblioteca papal, Francisco pediu em espanhol a Fernández e a sua mulher, Fabiola Yáñez, que os dois defendam a paz na Argentina.

"Foi examinada a situação do país, especialmente em relação a alguns problemas como a crise econômica financeira, a luta contra a pobreza, a corrupção, o narcotráfico, a ascensão social e a proteção da vida desde sua concepção", resumiu o Vaticano em um curto comunicado sobre a reunião.

O presidente admitiu após o encontro eles não debateram profundamente dois temas delicados para Francisco: a legalização do aborto, defendida abertamente por Fernández, e uma eventual viagem do papa a seu país de origem.

Francisco não visita sua terra natal desde que se tornou o primeiro papa da América Latina em 2013, mas o presidente argentino afirmou que não fez um novo convite ao pontífice porque não queria pressioná-lo. "O papa é uma figura transcendental, está muito além dos argentinos, é da humanidade". acrescentou.

O tema é considerado sensível na Argentina e Francisco nunca explicou porque nunca quis visitar seu país.

Para alguns analistas, o papa evita um retorno para não ser acusado de interferir na política argentina, já que ele é visto como alguém simpático ao peronismo e crítico ao discurso liberal simbolizado por Macri.

O próprio Fernández compartilha muitas das ideias do papa sobre justiça social e citou o pontífice repetidamente em seu discurso de posse no mês passado.

O político de centro-esquerda de 60 anos prometeu contornar as divisões sociais e implantar um sistema de crédito com taxas baixas para impulsionar a demanda doméstica, além de aumentar os gastos para combater a fome e a pobreza.

O mandatário argentino recebeu um país em recessão desde meados de 2018, com um dos índices de inflação mais altos do mundo (53,8% em 2019) e pobreza de cerca de 40% da população.

O novo governo argentino também está empenhado em uma série de negociações com os credores pela dívida externa, que representa 91,6% do Produto Interno Bruto (PIB).

Na semana que vem, um seminário organizado no Vaticano representa mais uma oportunidade de diálogo, pois contará com a presença da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, e do ministro argentino da Economia, Martín Guzmán.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump