Papa pede a líderes do mundo que salvem a Amazônia

O papa convidou os líderes políticos a eliminar "os próprios conluios e corrupções"

Papa FranciscoPapa Francisco - Foto: Filippo Monteforte/AFP

O papa Francisco considerou que os dirigentes do mundo devem salvar a Amazônia, onde há muitos interesses em jogo, segundo uma entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal italiano La Stampa.

A Amazônia, que abrange nove países da América do Sul, "é um lugar representativo e decisivo", afirmou o papa. "Junto com os oceanos, contribui determinantemente para a sobrevivência do planeta", recordou o pontífice argentino, que convocou para outubro um sínodo de bispos sobre esse tema no Vaticano.

Francisco denunciou na entrevista os verdadeiros obstáculos que impedem a salvaguarda desse enorme território ameaçado pelo desmatamento, o agronegócio e a indústria madeireira.

Leia também:
Papa está preocupado com nacionalismos e populismo
Ministro do Meio Ambiente defende reestruturação do Fundo Amazônia
Desmatamento na Amazônia em julho cresce 278% em relação ao mesmo mês em 2018



"A ameaça da vida das populações e do território deriva de interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade", resumiu. A reunião no Vaticano é como "um filho da Laudato si'", detalhou o papa, ao se referir a uma de suas primeiras encíclicas sobre a defesa da natureza.

"Não é uma encíclica verde, é uma encíclica social, que se baseia em uma realidade 'verde', a custódia da Criação", acrescentou.

Durante a conversa, o papa convidou os líderes políticos a eliminar "os próprios conluios e corrupções" para que se concentrem nesses temas. "Devem ser assumidas responsabilidades concretas, por exemplo, sobre o tema das minas ao ar livre, que envenenam a água provocando tantas doenças", afirmou Francisco, que alertou também sobre a "questão dos fertilizantes".

Para o papa, "grande parte do oxigênio que respiramos vem de lá. É por isso que o desmatamento significa matar a humanidade", acrescentou.

Veja também

Depois de 652 dias, Bélgica consegue formar um governo
internacional

Depois de 652 dias, Bélgica consegue formar um governo

Polônia indica ministro da Educação que afirma que 'gays não são normais'
internacional

Polônia indica ministro da Educação que afirma que 'gays não são normais'