Papa pede preservação da natureza e da cultura indígena na Amazônia

Diferentemente dos protestos e do esvaziamento dos eventos no Chile, ele foi recebido de forma calorosa na região amazônica peruana

Papa Francisco em visita ao PeruPapa Francisco em visita ao Peru - Foto: Ernesto Benavides / AFP

Em sua primeira missa no Peru, o papa Francisco pediu nesta sexta-feira (19) para preservar a Amazônia dos interesses dos "grandes negócios e da ganância consumista" e chamou o tráfico de pessoas de "escravidão". Francisco começou a visita por Puerto Maldonado, a 232 km da fronteira com o Acre. Diferentemente dos protestos e do esvaziamento dos eventos no Chile, ele foi recebido de forma calorosa na região amazônica peruana.

Representantes de povos nativos de todo o Peru entraram no estádio da cidade junto com o pontífice, a maior parte deles usando vestimentas tradicionais, cocares, instrumentos e falando suas línguas nativas. O pontífice chega à região no momento em que ela é afetada pelo crescimento da mineração e da extração ilegal de madeira, que levou ao aumento do desmatamento, da poluição dos rios e do assédio às comunidades indígenas.

Leia também:
Papa Francisco chega a Lima, dando início à visita ao Peru
Papa Francisco celebra casamento em voo sobre o Chile
Papa Francisco se despede do Chile desejando “união e paz”

"Os povos nativos da Amazônia provavelmente nunca foram tão ameaçados em suas terras como agora", afirmou. "Vemos as profundas feridas que a Amazônia e seus povos carregam. E quis visitá-los para ouvi-los." Francisco criticou a "pressão exercida pelos interesses dos grandes negócios" buscando petróleo, gás, madeira e ouro e afanando "insumos a outros países sem se preocupar com seus habitantes".

"Não podemos usar as mercadorias da forma como dita a ganância consumista. Devem-se estabelecer limites para que possamos nos preservar de todos os planos de destruição em massa do habitat que nos faz ser quem somos." A homilia do papa foi interrompida em diversas vezes por aplausos e o tocar dos tambores. Depois da cerimônia, ele se reuniu com os líderes indígenas, que mencionaram o que chamam de estupro de suas terras originárias.

"Eles entram em nossos territórios sem nosso consentimento e sofremos muito quando os forasteiros cavam a terra e destroem nossos rios, tornando-os águas negras da morte", disse Hector Sueyo, índio da tribo Harakbut. Na sequência, prometeu ouvir o choro dos nativos e prometeu que a Igreja apoiará à defesa da vida, da Terra e das culturas -desde o início do pontificado, Francisco defende a preservação da natureza e a mudança climática.

Tráfico de pessoas
Francisco também abordou uma consequência da chegada de pessoas à região para a exploração ilegal de ouro e da madeira. Em Puerto Maldonado também cresceu a prostituição e o tráfico humano, principalmente mulheres. "Acostumamos a usar o termo tráfico de pessoas, mas na verdade deveríamos falar de escravidão: escravidão para o trabalho, sexual e para o lucro", disse. "As florestas, os rios e as montanhas são usados até o último recurso e depois são abandonados e se tornam inservíveis. As pessoas também são tratadas nessa lógica."

Ele pediu às autoridades e aos bispos que trabalhem para prevenir as condições de semiescravidão e defendam as mulheres e os jovens da violência, além de melhorar a educação e preservar as culturas regionais. O papa volta ainda nesta sexta a Lima, onde se reunirá com o presidente Pedro Pablo Kuczynski. Ele ainda celebrará sábado (20) uma missa em Trujillo, no litoral norte peruano, e outra em Lima no domingo (21), para a qual são esperadas 1 milhão de pessoas.

Veja também

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA
Latam

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA

Mais de 550 mil mortes por coronavírus no mundo

Mais de 550 mil mortes por coronavírus no mundo