Para a China, concessão de Nobel a Liu Xiaobo é 'blasfêmia'

A morte do ativista foi muito criticada por vários países, os quais pediram a libertação de Liu Xiaobo ao governo chinês

Pessoas prestam respeito a falecido Liu XiaoboPessoas prestam respeito a falecido Liu Xiaobo - Foto: Isaac Lawewnce / AFP

Um dia após o falecimento do dissidente político Liu Xiaobo, Pequim denunciou, nesta sexta-feira (14), a concessão do Prêmio Nobel da Paz de 2010 a seu desafeto.
"Conceder o prêmio a uma pessoa assim contradizia o próprio objetivo do prêmio. O Prêmio Nobel da Paz foi uma blasfêmia", acusou o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Geng Shuang, em entrevista coletiva.

A morte do ativista foi muito criticada por vários países, os quais pediram a libertação de Liu Xiaobo ao governo chinês para ele que pudesse receber tratamento médico no exterior.

Rebatendo essas críticas, Geng indicou que Pequim protestou com "alguns países", incluindo Estados Unidos, Alemanha e França, pelas "declarações irresponsáveis" sobre a morte do dissidente, assim como com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Veja também

Mais de 30 mortos em duplo atentado suicida em Bagdá
ATAQUE

Mais de 30 mortos em duplo atentado suicida em Bagdá

Bairro de Xangai é evacuado após três casos de coronavírus
COVID-19

Bairro de Xangai é evacuado após três casos de coronavírus