Para líder da Farc rejeição de acordo de paz "foi até bom"

No plebiscito de 2 de outubro, 50,2% dos eleitores disseram "Não" ao pacto de paz

Legião Urbana e Humberto GessingerLegião Urbana e Humberto Gessinger - Foto: Daryan Dornelles/Divulgação

O chefe máximo da guerrilha Farc, Rodrigo Londoño (Timochenko), considerou nesta quarta-feira (12) que "foi até bom" que o acordo de paz assinado com o governo da Colômbia tenha sido rejeitado nas urnas, pois isso permitiu "esclarecer muitas dúvidas" e envolver os abstencionistas no debate.

"Foi até bom que isso tenha acontecido, porque está permitindo esclarecer muitas dúvidas e, em especial, está comprometendo esse importante setor do povo colombiano que não votou, mais de 63%, a interessar-se por este feito histórico", disse Londoño sobre o resultado do plebiscito de 2 de outubro em que 50,2% dos eleitores disse "Não" ao pacto de paz.

Em uma entrevista com Caracol Radio, o principal líder das Farc, ele disse que o resultado contrário "está permitindo corrigir o que foi uma pedagogia maciça, um pedagogia clara".

Perguntado se as Farc estão dispostas a fazer alterações nos acordos alcançados no que se refere a justiça transicional e participação política, o líder rebelde disse que "seria uma brutalidade".

"Seria uma brutalidade voltar a reviver uma discussão que nos levou mais de um ano e meio, que foi uma das discussões más duras e difíceis", disse.

Os opositores ao acordo, liderados pelo ex-presidente e senador Álvaro Uribe, rejeitam principalmente a "impunidade total" que, segundo eles, será dada a guerrilheiros responsáveis por "crimes atrozes".

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios