Parlamento Europeu é favorável a adiar Brexit até 31 de janeiro

Os 27 Estados-membros da União Europeia já se mostraram favoráveis a um novo adiamento do Brexit

Bandeiras da UE e Reino UnidoBandeiras da UE e Reino Unido - Foto: AFP

O Parlamento Europeu (PE) é favorável à prorrogação da data do Brexit (a saída do Reino Unido da União Europeia) até 31 de janeiro. O presidente do Parlamento, David Sassoli, enviou mensagem ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, recomendando que aceite o adiamento. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (24).

"A Conferência de Presidentes do Parlamento Europeu analisou esta manhã a situação da saída do Reino Unido da União Europeia, tendo em conta os últimos desenvolvimentos, e escreveu ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, para recomendar que aceite o pedido de nova extensão até 31 de janeiro de 2020", informou a assembleia europeia em comunicado.

Leia também:
Presidente do Conselho Europeu vai recomendar novo adiamento do Brexit
Em cima da hora, União Europeia e Reino Unido chegam a acordo sobre o brexit
Boris Johnson tenta convencer Parlamento a aprovar seu acordo para o Brexit

Na nota, o presidente do PE, David Sassoli, que nessa quarta-feira já tinha aconselhado os 27 a aceitarem a ampliação do prazo, estima que o novo adiamento permitiria ao Reino Unido tornar clara sua posição e à assembleia europeia "exercer adequadamente o seu papel".

A Conferência de Presidentes - estrutura que junta as lideranças do PE e dos partidos políticos representados na assembleia europeia - observa que o processo de aprovação do acordo pelos eurodeputados não é uma mera formalidade, devendo ser precedido de "um escrutínio exaustivo do texto".

"Considerando o tempo que um trabalho tão diligente requer, a Conferência de Presidentes considera que o Conselho Europeu deve aceitar o pedido feito pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em 19 de outubro, para estender o período do Artigo 50 do Tratado da UE até 31 de janeiro, com a opção desse período poder terminar mais cedo caso a ratificação e o processo de aprovação [do acordo] sejam, entretanto, concluídos quer no Reino Unido, quer no PE", sustentam.

Na nota, os líderes da assembleia europeia reiteram que a instituição só aprovará o acordo de saída do Reino Unido da UE após a ratificação no Parlamento britânico.

Os 27 Estados-membros da União Europeia já se mostraram favoráveis a um novo adiamento do Brexit, solicitado pelo governo britânico, mas ainda discutem sua extensão, e as conversações prosseguirão no fim da semana, informaram fontes europeias.

Inicialmente previsto para 29 de março passado, o Brexit foi adiado para 31 de outubro, tendo o Reino Unido solicitado uma segunda extensão do Artigo 50, face à incapacidade dos britânicos de aprovar o Acordo de Saída na Câmara dos Comuns.

Os deputados britânicos rejeitaram na terça-feira (22), com 322 votos contra e 308 a favor, o calendário proposto pelo governo britânico, que previa uma aprovação da lei de aplicação do acordo até hoje, prazo considerado demasiadamente curto para debater um texto de 110 páginas.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, anunciou, em seguida, que o governo iria suspender o processo legislativo para o Brexit e acelerar os preparativos para uma saída sem acordo, na sequência de derrota no Parlamento.

Antes de fechar a moção, com um calendário para acelerar o processo e concluir a aprovação em três dias, a Câmara dos Comuns já tinha aprovado a proposta de lei (Withdrawal Agreement Bill), por 329 votos a favor e 299 votos contra, com margem de 30 votos.

A proposta dá efeito legal ao acordo de saída negociado por Boris Johnson com Bruxelas e finalizado na semana passada. Além disso, define questões como o período de transição até o fim de 2020 para permitir às empresas adaptação às novas condições e também para as duas partes negociarem um novo acordo de livre comércio.

Insere também o protocolo sobre a Irlanda do Norte na legislação nacional e estabelece o veículo para o pagamento da compensação financeira à UE, calculada em 33 bilhões de libras (38 bilhões de euros).

Veja também

Disney corta 28.000 empregos nos EUA por causa da pandemia
EUA

Disney corta 28.000 empregos nos EUA por causa da pandemia

Cuba e Venezuela denunciam na Opas sanções "ilegais" dos Estados Unidos em meio à pandemia
Mundo

Cuba e Venezuela denunciam na Opas sanções "ilegais" dos Estados Unidos em meio à pandemia