Pentágono quer alugar parte da Torre Trump para acompanhar presidente

A esposa do presidente, Melania, e seu filho, Barron, continuam vivendo na Torre Trump

Donald Trump Donald Trump  - Foto: Brendan Emialowski/afp

O Pentágono quer alugar um espaço na Torre Trump de Nova York para abrigar o equipamento e pessoal militar que acompanham Donald Trump durante suas estadas cidade, informou um porta-voz nesta quarta-feira (8).

A esposa do presidente, Melania, e seu filho, Barron, continuam vivendo na Torre Trump, em um tríplex que ocupa os três últimos andares do prédio, que o milionário do setor imobiliário pretende visitar regularmente.

O presidente sempre está acompanhado de pessoal militar, especialmente de quem lhe permite poder dar luz verde a um ataque nuclear a qualquer momento.

Esta decisão do Pentágono é potencialmente comprometedora para a administração americana porque poderia alimentar a polêmica sobre os conflitos de interesses do presidente.

Após sua eleição, Trump se negou a vender seus ativos, transferindo-os a um fundo, cuja gestão foi confiada a seus dois filhos mais velhos, após repudiar a solução de um fundo cego, consistente em confiar a administração a um gestor independente.

"Para poder cumprir a missão que lhe incumbe" junto ao presidente americano, o Departamento da Defesa quer alugar "uma extensão limitada de espaço" na torre Trump, "de acordo com todas as exigências legais", declarou nesta quarta-feira o tenente-coronel James Brindle, um porta-voz do Pentágono.

"Este espaço é necessário para o pessoal e o equipamento que apoiará o presidente durante suas estadas em sua residência" nova-iorquina, acrescentou.

Segundo a rede CNN, alugar um andar na Torre Trump custaria um milhão e meio de dólares ao ano.

Veja também

Presidente do México recebe vacina contra Covid-19 em público para convencer céticos
Vacinação

Presidente do México recebe vacina contra Covid-19 em público para convencer céticos

EMA diz que vacina Johnson & Johnson deve incluir coágulos sanguíneos como efeitos colaterais raros
Imunizantes

EMA diz que vacina Johnson & Johnson deve incluir coágulos sanguíneos como efeitos colaterais raros