Mundo

Perdas por incêndios na Califórnia superam os 10 bilhões de dólares

'Os incêndios devastadores de 2018 representam a catástrofe mais mortal e mais cara da história da Califórnia', disse comissário de Seguros do Estado

Incêndios na CalifórniaIncêndios na Califórnia - Foto: Josh Edelson / AFP

As perdas materiais de incêndios florestais na Califórnia este ano são estimadas em mais de 10 bilhões de dólares, segundo dados divulgados pelo governo nesta quarta-feira (12) com base em dados de seguradoras.

Dave Jones, comissário de Seguros do Estado, informou que o incêndio Camp, que devastou praticamente a cidade de Paradise no norte do estado e deixou 85 mortos, assim como Woolsey, em Malibu, trará um custo de 9,05 bilhões de dólares.

Esses números preliminares, que podem aumentar, soma o 1 bilhão de perda calculado para os incêndios de Mendocino e Carr.

"Os incêndios devastadores de 2018 representam a catástrofe mais mortal e mais cara da história da Califórnia", disse Jones em um comunicado. "Esses são números alarmantes", que também incluem o incêndio Hill Fire, no condado de Ventura.

Leia também:
Buscas por vítimas de incêndio são encerradas na Califórnia
Incêndio mais devastador da história da Califórnia é controlado após duas semanas


Nancy Kincaid, assessora de imprensa do gabinete do comissário, disse à AFP que o valor está muito próximo do recorde de perdas com incêndios florestais que ocorreu no ano passado: 10,4 bilhões de dólares.

O grupo alemão Munich Re, dedicado a assegurar outras empresas, estimou há duas semanas o custo dos incêndios em mais de 10 bilhões de dólares.

A Califórnia sofreu vários grandes incêndios nos últimos anos, em decorrência de uma seca crônica

Veja também

Argentina notifica segundo caso suspeito de varíola do macaco
Varíola

Argentina notifica segundo caso suspeito de varíola do macaco

Ministros do G7 pedem à Opep que amplie produção de petróleo; analistas já preveem barril a US$ 150
petróleo

Ministros do G7 pedem à Opep que amplie produção de petróleo; analistas já preveem barril a US$ 150