Peru atribui queda do PIB à Odebrecht

"É difícil pensar que cresceríamos 4,8% em 2017, e que poderemos crescer um ponto percentual abaixo disto", disse o ministro da Economia

Sede da OdebrechtSede da Odebrecht - Foto: Reprodução/Odebrecht

O Peru anunciou nesta quarta-feira (25) que crescerá menos que o esperado em 2017 devido aos casos de corrupção envolvendo a Odebrecht, que tem importantes obras em andamento no país.

"É difícil pensar que cresceríamos 4,8% em 2017, e que poderemos crescer um ponto percentual abaixo disto", disse o ministro da Economia, Alfredo Thorne, em entrevista coletiva.

Odebrecht, que admitiu ter pago 29 milhões de dólares em subornos para obter obras públicas no Peru entre 2005-2014, participava de diversos projetos de infraestrutura no país, incluindo a construção de um gasoduto no sul orçado em 7 bilhões de dólares, cuja concessão lhe foi retirada.

"Devido ao efeito Odebrecht, que não inclui apenas o gasoduto do sul, mas também outros projetos, vamos ter um efeito negativo de entre meio e um ponto percentual, dependendo do que fizermos...", declarou o ministro.

O presidente Pedro Pablo Kuczynski declarou na véspera que a Odebrecht deverá entregar todos os seus projetos e sair do país. "Vai ter que se desfazer dos projetos que mantém no Peru, alguns importantes em termos de fornecimento de eletricidade e estradas. Lamentavelmente, têm esta tara da corrupção e precisam partir, acabou".

As paralisações afetarão a geração de empregos no Peru, a melhoria das infraestruturas e a distribuição de recursos, admitiu Thorne, para quem "a decisão do presidente Kuczynski (de pedir a saída da Odebrecht) é muito valente".

"Se isto significa que vamos pagar com um pouco de crescimento por esta decisão, estamos dispostos a fazer isto", disse Tohrne, acrescentando que "nossa economia é sólida, com grandes investidores que querem entrar, e o fato de uma empresa sair não significa que não há alternativas".

Veja também

Recorde de casos de Covid na Índia e alerta no Japão a três meses dos Jogos
Coronavírus

Recorde de casos de Covid na Índia e alerta no Japão a três meses dos Jogos

França registra cinco novos casos de trombose sem morte entre vacinados com AstraZeneca
Coronavírus

França registra cinco novos casos de trombose sem morte entre vacinados com AstraZeneca